This content is not available in your region

Rival chinês da Uber investe em startup líder no Brasil

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Rival chinês da Uber investe em startup líder no Brasil

A empresa chinesa DiDi acelera a fundo na corrida com a Uber para o domínio mundial entre as plataformas de serviço de transporte. O último passo foi dado com a aquisição da startup brasileira 99, que fornece serviços de táxi tradicional e em aplicação de transporte privado.

De acordo com o jornal New York Times, a operação está estimada em 600 milhões de dólares e sucede a um primeiro investimento de 100 milhões da DiDi realizado há cerca de um ano e que nessa data lhe terá dado o controlo sobre aproximadamente 30% do capital da empresa liderada por Peter Fernandez.

A 99 está presente em mais de 500 cidades no Brasil, tem 14 milhões de utilizadores registados e é mesmo líder de mercado em São Paulo e no Rio de Janeiro, as duas cidades mundiais com maior número de viagens para a rival Uber.

Segundo o comunicado divulgado esta quinta-feira pela DiDi, o "sucesso" e a "confiança na equipa da 99" esteve na base da decisão de aprofundar no Brasil os "serviços de mobilidade mais convenientes e de valor" agregado. "A globalização é uma prioridade estratégica para a DiDi. Com investimentos aprimorados em capacidades de Inteligência Artificial e soluções de transporte inteligente, continuaremos a avançar a transformação das indústrias de transporte e automóvel globais através de operações e parcerias internacionais diversificadas", declarou o fundador da empresa Cheng Wei.

Já Peter Fernandez assumiu a sua satisfação pela oficialização do negócio: "Sentimo-nos privilegiados de ser agora uma única organização com um propósito ainda mais forte: melhorar a indústria de transporte e ter um impacto massivo na vida de milhões de pessoas em todo o mundo. Estamos confiantes de que fazer parte da DiDi Chuxing aumentará amplamente a capacidade para expandir os nossos serviços em todo o Brasil e para trazer valor aos utilizadores, motoristas e cidades".

Com o anúncio da aquisição, o gigante chinês, que diz ter condições para fornecer 25 milhões de viagens diárias, reforça o seu plano de expansão global, através de alianças em dezenas de mercados, e deixa agora a Uber numa encruzilhada.