This content is not available in your region

50 anos de Primavera de Praga

Access to the comments Comentários
De  Luis Guita
50 anos de Primavera de Praga

Há 50 anos, a 5 de janeiro de 1968, a eleição de Alexander Dubjek para líder do Partido Comunista checoslovaco marcava o início da Primavera de Praga, um período de liberdade relativa para um país do bloco soviético.

O novo líder quer demarcar-se de Moscovo e abrir uma via para um socialismo com um rosto mais humano, que reconhece o direito a uma economia mais liberal e à liberdade de expressão.

Mas este movimento de emancipação inquieta a União Soviética e os seus aliados do pacto de Varsóvia, que receiam um efeito de contágio.

A Primavera de Praga vai terminar sete meses mais tarde, reprimida com sangue por carros de combate soviéticos que invadem a Checoslováquia para impor o regresso à norma comunista.

O processo apelidado de "normalização" traduz-se por uma grande purga.

Cinquenta anos depois, as populações das atuais Repblica Checa e Eslováquia continuam profundamente marcadas por este período na história.