Última hora

Última hora

50 anos de Primavera de Praga

Em leitura:

50 anos de Primavera de Praga

Tamanho do texto Aa Aa

Há 50 anos, a 5 de janeiro de 1968, a eleição de Alexander Dubjek para líder do Partido Comunista checoslovaco marcava o início da Primavera de Praga, um período de liberdade relativa para um país do bloco soviético.

O novo líder quer demarcar-se de Moscovo e abrir uma via para um socialismo com um rosto mais humano, que reconhece o direito a uma economia mais liberal e à liberdade de expressão.

Mas este movimento de emancipação inquieta a União Soviética e os seus aliados do pacto de Varsóvia, que receiam um efeito de contágio.

A Primavera de Praga vai terminar sete meses mais tarde, reprimida com sangue por carros de combate soviéticos que invadem a Checoslováquia para impor o regresso à norma comunista.

O processo apelidado de "normalização" traduz-se por uma grande purga.

Cinquenta anos depois, as populações das atuais Repblica Checa e Eslováquia continuam profundamente marcadas por este período na história.