Última hora

Última hora

"Fogo e Fúria": O juízo de Trump

Em leitura:

"Fogo e Fúria": O juízo de Trump

Tamanho do texto Aa Aa

Donald Trump defende a sua saúde mental face às revelações do livro "Fogo e Fúria" de Michael Wolff. O presidente norte-americano acusou este sábado o autor de ser uma "fraude", defendendo o reforço das leis sobre a difamação para evitar a divulgação do que considera serem "mentiras".

Numa conferência de imprensa em Camp David, Trump voltou à carga, depois de se ter definido como um "génio muito estável".

"Eu considero este livro como uma obra de ficção e penso que é uma desgraça que alguém seja capaz de fazer este tipo de coisas. As leis de difamação são muito fracas neste país. Se fossem mais fortes, seria muito útil que deixássemos de ver este tipo de situação em que qualquer pessoa pode dizer o que lhe vem à cabeça".

Antes de reagir na televisão, Trump tinha já passado pelas redes sociais, onde se classificou como um "homem de sucesso, uma estrela da televisão e um presidente eleito à primeira tentativa".

Argumentos com que responde às revelações do livro publicado nos Estados Unidos. Na obra, Michael Wolff garante que a maioria dos assessores da Casa Branca classificam o presidente como um "idiota" e "uma criança".

Na quarta-feira o site de informação "Politico" revelava que uma psiquiatra da Universidade de Yale, interrogada por um grupo de deputados sobre o comportamento de Trump, teria considerado que o presidente "mostra sinais de que está a perder o autocontrolo".