Última hora

Última hora

Dakar2018: Peterhansel assume liderança e André Villas-Boas acelera

Em leitura:

Dakar2018: Peterhansel assume liderança e André Villas-Boas acelera

© Copyright :
REUTERS/Andres Stapff
Tamanho do texto Aa Aa

O britânico Sam Sunderland (KTM) venceu esta segunda-feira a terceira etapa do Rali Dakar, entre Pisco e San Juan de Marcona, no Peru, e subiu à liderança da geral de motos, enquanto Stéphane Peterhansel (Peugeot) assumiu a liderança nos carros.

O 'Senhor Dakar', como é conhecido o francês da Peugeot, ultrapassou o colega de equipa e compatriota, Cyril Despres, numa tirada ganha pelo catari Nasser Al-Attiyah (Toyota).

Peterhansel, que já venceu a prova em 13 ocasiões, aproveitou a perda de tempo de Despres, que cedeu mais de sete minutos, e do colega de equipa e compatriota Sebastien Loeb, mais de oito, para subir ao primeiro posto e consolidar, desde logo, a liderança.

Já Al-Attiyah, que já venceu o Dakar em 2011 e 2015, está no terceiro posto, a 7.43 minutos do francês.

O dia fica ainda marcado pelo acidente do espanhol Nani Roma (Mini), que acabou por ser transportado para o hospital.

O carro do espanhol capotou e deu várias voltas no ar antes de parar, com Roma a desistir da 40.ª edição da prova.

O coplioto do espanhol, Álex Haro, recordou o despiste: "Passámos por um salto, que áquela hora do dia não se via. Batemos muito forte. O Nani ficou um pouco combalido. Capotámos e ficámos ali um bom bocado porque o Nani não estava a sentir-se bem." Haro e Roma tentaram depois "reparar o carro" porque o piloto "queria acabar a etapa". "Estávamos a meio quilómetro da meta. Apenas precisávamos de ultrapassar a duna. Alcançámos a linha de meta e o Nani foi assistido pelos médicos, que decidiram levá-lo para o hospital para realizarem mais exames", concluiu o copiloto.

Nani Roma tranquilizou os fãs através de uma mensagem de viva voz transmitida através da televisão pública espanhola, a TVE.

"Estejam tranquilos, estou bem, mas tenho de ser obervado porque no salto fiquei inconsciente e por isso puderam ver o carro a continjuar a acelerar. Continuei a acelerar prego a fundo. O Álex (o copiloto) puxou o travão de mão e por isso capotámos.  Mas estou bem e espero não ser nada de grave, embora me tenha deixado muito dorido nas costas", relatou o espanhol, enquanto seguia numa ambulância já em Lima.

O português Carlos Sousa (Renault Duster) continuou em bom plano e é o melhor luso em prova, subindo ao 26.º lugar da geral, a 2:51.30 horas de Peterhansel, depois de ter terminado o dia com o 23.º melhor tempo.

"Ainda não foi hoje que conseguimos realizar uma etapa 'limpa'. Perdemos cerca de 20 minutos em dois 'atascanços' e, em ambos os casos, como soluções de recurso", apontou Carlos Sousa, em declarações à sua assessoria de imprensa.

Também André Villas-Boas (Toyota) teve um bom dia, ao subir à 39.ª posição da geral depois de terminar a etapa em 43.º.

Sam Sunderland, que defende o título nas motos conquistado pela primeira vez em 2017, recuperou de um início menos bom no fim de semana e já lidera.

O britânico terminou os 296 quilómetros de especial do dia em 03:20.43 horas, enquanto o espanhol Joan Barreda (Honda), que liderava a prova, cometeu um erro de navegação e acabou em 30.º.

Em segundo, atrás do inglês, terminou o argentino Kevin Benavides (Honda), com o australiano Toby Price (KTM), campeão em 2016, a fechar o pódio.

O único português ainda em prova é Fausto Mota (Tesla-Tamega Rally), que subiu dez posições no dia de hoje e é agora 62.º.

Na terça-feira, os pilotos enfrentam a quarta etapa do rali, com 330 quilómetros cronometrados num circuito em San Juan de Marcona, com quase 100 quilómetros de troco em duna, um dos mais compridos da história da prova.