Última hora

Última hora

Sonya Yoncheva, a "Tosca" de Puccini, no Met de Nova Iorque

Em leitura:

Sonya Yoncheva, a "Tosca" de Puccini, no Met de Nova Iorque

Tamanho do texto Aa Aa

Interpretou Elisabeth de Valois em Don Carlos de Verdi, em Paris. Em breve, será Luisa Miller de Verdi, em Nova Iorque e mais tarde, Imogene, em Il Pirata, de Belini, em Milão. A soprano búlgara Sonya Yoncheva, “Tosca” na obra de Puccini, encara cada papel com rigor e metodologia.

Explicou à Euronews que está “muito entusiasmada” com esta temporada e que tenta “nem pensar muito nisso.”

Para a sobrano, “a música ajuda muito porque, aprender apenas um texto, seria muito complicado” para ela.

A cantora lírica búlgara dá vida à diva romana “Tosca,” na obra de Puccini, no palco da Metropolitan Opera House, em Nova Iorque, esta temporada.

Contou à Euronews que “ouviu muitas vezes a obra” ao longo de toda a sua vida.

“Penso que ouvi a opera centenas de vezes antes de estudar o papel. Por isso, não foi difícil.”

Para Sonya Youncheva, que ouviu quase todas as gravações que foram feitas da opera de Puccini, é importante conhecer a forma como interpretaram as diferentes colegas a diva italiana.

“Aprendi muito com elas porque, quando vês outros cantores em palco, absorves as pequenas diferenças e isso pode ajudar a superar obstáculos. Assim, ouvi todas as versões possíveis, tanto em audio, como em video, que me serviram de inspiração.

Não é a primeira vez que Yoncheva partilha o palco com o tenor Toscano Vittorio Grigolo e com o baritono sérvio Željko Lučić.

“É melhor quando conheces os colegas em palco, porque sabes como comportar-te, o que esperam de ti e controlas melhor as coisas.”

No entanto, explicou a soprano, conhecer ou não a pessoa com quem se trebalha em palco não é determinante. Tudo pode acontecer, no mundo da ópera:

“Por exemplo, já me aconteceu ter de cantar com um tenor que tinha chegado apenas cinco minutos antes da atuação. Nunca o tinha visto e tínhamos longas cenas de amor. E funcionou. Mas é assim, somos artistas e damos tudo por tudo”.

Com António Oliveira e Silva e Catarina Ruivo.

Mais sobre musica