Última hora

Última hora

Mundo reage à alegada expressão grosseira de Trump

Nações Unidas, senadores norte-americanos e ex-governantes respondem a Trump, alguns nos mesmos termos

Em leitura:

Mundo reage à alegada expressão grosseira de Trump

Tamanho do texto Aa Aa

Se a temperatura da indignação contra Donald Trump pudesse ser sentida, haveria casos em que efígie de cera do presidente norte-americano, em frente ao museu madame Tussaud, em Londres, estaria a derreter.

Uma das primeiras reações à alegada expressão grosseira partiu das Nações Unidas.

"São comentários chocantes e vergonhosos do presidente dos Estados Unidos. Lamento, mas não existe outra forma de qualificar senão como sendo como racistas. Não pode dizer que países e continentes são sítios de merda, só porque a população inteira não é branca, logo, indesejada", declarou Rupert Coleville, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

Os democratas norte-americanos também reagiram de imediato. No Twitter o senador Richard Blumenthal qualificou o comentário de "racista e uma flagrante traição aos valores americanos".

O antigo primeiro-ministro haitiano, Laurent Lamothe, escreveu: "Trump é uma vergonha. Mostrou tanta ignorância nunca antes vista em qualquer presidente na recente história dos Estados Unidos".

Como Trump referiu que preferia receber imigrantes da Noruega, houve quem aplicasse o mesmo termo, "país de merda" aos Estados Unidos, já que o país escandinavo é considerado o mais feliz do mundo.

Facto para pensar se Donald Trump não terá abordado a questão com a primeira-ministra norueguesa quando se encontrou com Erna Solberg na quarta-feira.