Última hora

Última hora

UE melhor preparar para enfrentar nova crise financeira

Em leitura:

UE melhor preparar para enfrentar nova crise financeira

Tamanho do texto Aa Aa

O Tribunal de Contas Europeu afirma que no geral a União Europeia está melhor preparada para enfrentar uma nova crise financeira mas que ainda há trabalho a fazer. Esta é, em termos gerais, a conclusão do mais recente relatório do Tribunal de Contas Europeu que se debruçou sobre o papel do BCE na gestão operacional de crises financeiras.

Point of view

O BCE aceitou 6 de 8 recomendações feitas pelo Tribunal de Contas Europeu

Peter Ehrlich Porta-voz, BCE

O relatório agora publicado é o segundo relatório do Tribunal no espaço de um mês e é dedicado à avaliação dos sistemas da UE para lidar com bancos em dificuldades. O primeiro relatório foi publicado em dezembro de 2017 sob o título de "Conselho Único de Resolução: começou a complexa construção da União Bancária, mas há ainda muito a fazer".

O principal auditor, Mirko Gottman, afirma que apesar dos progressos, a tarefa ainda não está terminada.

"Registaram-se muitas melhorias como é o caso do supervisor único e do Conselho Único de Resolução para lidar com a crise. Mas é claro que não é possível antecipar o futuro", afirma.

O Banco Central Europeu reagiu dizendo que a instituição aceitou a maioria das recomendações dos auditores mas que só o pode fazer dentro dos limites legais.

"O BCE aceitou 6 de 8 recomendações feitas pelo Tribunal de Contas Europeu. Também pensamos que as linhas de orientação mais recentes produzidas em setembro de 2017 não foram tidas em linha de conta pelos auditores. Por isso, pensamos que fornecemos muito trabalho e muitos documentos aos auditores mas que tal só pode ser feito dentro de limites legais", adianta o porta-voz do BCE, Peter Ehrlich.

Desde 2014 que o BCE assumiu a responsabilidade pela tarefa de supervisão do sistema bancário ao nível da União Europeia após a criação do Mecanismo Único de Supervisão. Na zona euro, a supervisão abarca cerca de 120 grupos bancários.