Última hora

Última hora

"O que tinhas vestido quando te violaram?"

Uma exposição organizada pelo serviço de prevenção da freguesia de Molenbeek, em Bruxelas, tenta desmontar preconceitos sobre "as razões" que levam à violência sexual, tal como a roupa usada pelas vítimas.

Em leitura:

"O que tinhas vestido quando te violaram?"

Tamanho do texto Aa Aa

"O que tinha vestido nesse dia?". A pergunta é frequentemente colocada às vítimas de violência sexual, insinuando que talvez tenham alguma responsabilidade pela agressão que sofreram.

Point of view

"Tem a ver com usar o poder para roubar a humanidade de outra pessoa"

Delphine Goossens Organizadora de exposição sobre violência sexual

Uma exposição organizada pelo serviço de prevenção da freguesia de Molenbeek, em Bruxelas, tenta desmontar esses preconceitos.

As roupas usadas por 18 vítimas de violação sexual vão de pijamas a uniforme de polícia e contam uma história diferente.

"Contrariamente ao que se pensa, não se trata de uma questão de violência sexual desencadeada porque um homem vê uma mulher bonita e não consegue travar os seus instintos", disse, à euronews, Delphine Goossens, organizadora da exposição.

"Trata-se, na realidade, de uma questão de poder, de querer dominar outra pessoa, como se tem visto no caso do produtor Harvey Weinstein e outros. Tem a ver com usar o poder para roubar a humanidade de outra pessoa, de se autorizar um direito que não se tem", acrescentou.

A correspondente da euronews, Elena Cavallone, colocou a questão nas ruas e notou que "ainda há muitas pessoas que consideram que uma agressão pode ser causada pela roupa que usava a vítima".

"Acho que se uma rapariga usa roupas ousadas, isso significa que quer correr o risco. Se não quer ser agredida, ou ter problemas, então deve ter cuidado com o que usa", disse um jovem.

Uma rapariga afirmou que "as saias fazem a diferença. Noto que, quando as uso, recebo mais comentários".

De de 2008 a 2015, o número de violações registadas na União Europeia aumentou 47%, de acordo com a agência de estatísticas europeia Eurostat.

A Amnistia Internacional estima que uma em cada cinco mulheres a nível mundial corre o risco de ser vítima de violência sexual.