Última hora

Última hora

Consagrados e novos talentos juntos no Festival da Canção 2018

Em leitura:

Consagrados e novos talentos juntos no Festival da Canção 2018

Tamanho do texto Aa Aa

Agência LUSA

Os cantores José Cid, Anabela e Gonçalo Tavares regressam este ano ao palco do Festival da Canção, cuja final decorre em março, numa edição com uma maior quantidade e diversidade de canções, que foi hoje apresentada em Lisboa.

"Os compositores mostram uma evolução [em relação à edição do ano passado], em quantidade e diversidade", afirmou hoje o jornalista Nuno Galopim que, com o radialista Henrique Amaro, lançou o convite a 22 compositores para que apresentassem uma canção original inédita no concurso da RTP. A estes 22 juntaram-se dois autores que responderam a um concurso promovido pela Antena 1, e um escolhido por Salvador Sobral, vencedor da edição de 2017.

Os intérpretes das 26 canções que disputam o festival, escolhidos pelos compositores, foram anunciados hoje, no Hub Criativo do Beato, numa apresentação que o diretor de programas da RTP, Daniel Deusdado, disse ter "um extraordinário simbolismo".

"Chegar aqui, hoje, está além do que pensámos na altura", disse, referindo-se à vitória no Festival Eurovisão da Canção, em maio, com a canção "Amar pelo Dois", composta por Luísa Sobral e interpretada por Salvador Sobral, a quem atribuiu "mérito absoluto" pelo feito.

O Festival da Canção regressou no ano passado como uma janela renovada, abrindo o concurso a compositores que nunca nele tinham participado.

Entre os estreantes deste ano está a 'rapper' Capicua, que escolheu Tamin para cantar "Sobre Nós", um tema que "não vai ser 'rap', mas tem muito de hip-hop", uma canção interpretada por uma voz do 'soul' "com espírito de portugalidade". "Uma canção portuguesa", adiantou em declarações à agência Lusa.

Apesar de "ser fã" do festival, do qual guarda na memória "afetiva as noites televisivas em família", como muitos dos que eram crianças na década de 1980, Capicua "nunca tinha pensado" participar.

"Desde o ano passado tornou-se mais fácil aceitar" o convite e ajudou que a "única voz" em quem pensou tenha dito "logo" que sim ao desafio.

A canção de Capicua compete na segunda semifinal, a 25 de fevereiro, juntamente com os temas compostos por Aline Frazão (interpretado por Susana Travassos), Armando Teixeira (Lili), Xinobi (Sequin), Daniela Onís (Daniela Onís), Diogo Piçarra (Diogo Piçarra), Francisco Rebelo (David Pessoa), Isaura (Cláudia Pascoal), João Afonso (Rita Ruivo), Miguel Ângelo (Dora Fidalgo), Paulo Flores (Minnie e Rhayra), Peter Serrado (Peter Serrado) e Tito Paris (Maria Inês Paris).

Se para Tamin esta será uma estreia no palco do concurso, para Anabela, José Cid e Gonçalo Tavares será um regresso, agora na versão renovada do Festival da Canção.

A renovação foi vista "da melhor forma, da forma mais positiva que pode haver", por José Cid e Gonçalo Tavares.

"O que aconteceu foi praticamente o impossível e uma lição para todos nós, em vir ao festival sem a preocupação absoluta de uma canção para o festival, que não é aquilo que nós somos", afirmou Gonçalo Tavares, em declarações à Lusa, adiantando que irá interpretar "uma canção muito portuguesa".

De acordo com José Cid, trata-se de uma canção "de homenagem aos grandes poetas, ao povo português que trabalha e muitas vezes é tão incompreendido".

"E uma homenagem ao som que é a alma do povo, que é o som da guitarra. Além dos dois há um outro interprete que é a guitarra portuguesa, que tem um papel enorme nesta canção e na nossa alma, na nossa tradição", contou à Lusa.

A canção de José Cid compete na primeira semifinal, a 18 de fevereiro, na qual concorrem também também os temas compostos por Diogo Clemente (interpretado por Peu Madureira), Fernando Tordo (Anabela), Francisca Cortesão (Joana Barra Vaz), Janeiro (Janeiro), Jorge Palma (Rui David), JP Simões (JP Simões), Júlio Resende (Catarina Miranda), Benjamim (Joana Espadinha), Mallu Magalhães (Beatriz Pessoa), Nuno Rafael (Bruno Vasconcelos), Paulo Praça (Maria Amaral), Rita Dias (Rita Dias) e José Cid (José Cid e Gonçalo Tavares).

Num festival "que vive o presente, mas não pode esquecer a sua identidade", haverá atuações de homenagem e revisitação de clássicos ligados ao festival.

De acordo com Gonçalo Madaíl, da direção de programas da RTP, nas semifinais "João Pedro Coimbra e Nuno Figueiredo debruçam-se sobre o cancioneiro de Carlos Paião" e, na final, "Moullinex faz homenagem às Doce" e "Nuno Feist homenageia Simone de Oliveira".

O júri do Festival da Canção deste ano volta a ser presidido por Júlio Isidro, que estará acompanhado pelos cantores Ana Bacalhau, Carlão, Luísa Sobral e Sara Tavares, a radialista Ana Markl, o jornalista Mário Lopes e os compositores Tozé Brito e António Avelar Pinho.

O vencedor do Festival da Canção, cuja final decorre a 04 de março, em Guimarães, irá participar em maio no Festival da Eurovisão da Canção, que este ano se realiza em Lisboa.