Última hora

Última hora

Polónia responde às críticas de Israel

Em leitura:

Polónia responde às críticas de Israel

Tamanho do texto Aa Aa

As comemorações do 73º aniversário da libertação do campo de concentração de Auschwitz decorrem com polémica em pano de fundo.

Políticos e média israelitas criticam o projeto de lei aprovado na sexta-feira pelo parlamento da Polónia, que proíbe qualquer responsabilização do estado polaco pelos crimes cometidos pela Alemanha nazi durante a II Guerra Mundial e, em particular, o uso de frases como "campos da concentração polacos".

Depois de apelar durante anos aos média estrangeiros para que, nas referências aos campos de concentração indicassem sem ambiguidades que a instalação da maior parte deles em território polaco foi uma decisão da Alemanha nazi durante a ocupação da Polónia, quando não existia um governo polaco, os legisladores polacos optaram por um projeto que criminaliza a negação dos factos históricos.

Face às críticas do governo de Israel, o primeiro ministro polaco Mateusz Morawiecki recordou que a Polónia e Israel assinaram em 2016 uma declaração comum que condena qualquer tentativa de negação da história das nações judaica e polaca através da diminuição do número de judeus mortos durante o Holocausto ou do uso de expressões como "campos de concentração polacos".

O vice-ministro da Justiça polaco, Patryk Jaki, publicou no Twitter o artigo da lei alvo de críticas, assinalando que este evoca os quatro crimes internacionais tipificados no Acordo de Londres de 1945, que define o estatuto do Tribunal Internacional de Nuremberga.  Jaki escreve que não entende a "histeria dos média israelitas", acrescentando que, se a lei de Israel penaliza expressões semelhantes, "porque não pode a Polónia fazer o mesmo?".