Última hora

Última hora

U2 agradecem a "países de merda" o "sonho americano"

Em leitura:

U2 agradecem a "países de merda" o "sonho americano"

© Copyright :
REUTERS/Lucas Jackson
Tamanho do texto Aa Aa

Os U2 protagonizaram um dos mais controversos momentos da 60.a edição da cerimómia dos Grammys.

A bordo de uma barcaça no Rio Hudson e diante da Estátua da Liberdade, Bono Vox aproveitou o final da apresentação de "Get Out of Your Own Wy", um dos temas do último álbum de estúdio da banda, para fazer referência a um dos mais polémicos momentos da presidência de Donald Trump nos Estados Unidos.

"Abençoados sejam os 'países de merda' por nos terem dado o 'Sonho Americano'", entoou o vocalista da banda irlandesa, num momento que pode ser visto em baixo apesar de ter sido censurado na transmissão televisiva da cerimónia, relatou alguma imprensa, nomeadamente as edições eletrónicas da Pitchfork e do Hollywood Reporter.

Algumas horas após a atuação, os U2 publicaram no Youtube o vídeo desta polémica atuação nos Grammys e nas redes sociais colocaram a frase em que sublinharam o apoio aos países que terão sido insultados pelo Presidente dos Estados Unidos há duas semanas numa reunião à porta fechada sobre políticas de imigração.

O alegado teor ofensvo das declarações do líder da Casa Branca acabou por surgir nas páginas do Washington Post e correu mundo.

Donald Trump negou ter usado a expressão "shitholes countries" ("países de merda", numa tradução adaptada) durante a referida reunião, mas sem desmentir ter usado termos ofensivos contra alguns países da América latina e de África.