Última hora

Última hora

O "cromo" que levou a solidariedade ao Polo Sul

A euronews entrevistou o aventureiro Ângelo Felgueiras, primeiro português a completar uma expedição ao Polo Sul, que é homenageado esta sexta-feira na Assembleia da República

Em leitura:

O "cromo" que levou a solidariedade ao Polo Sul

© Copyright :
Ângelo Felgueiras
Tamanho do texto Aa Aa

Ângelo Felgueiras recebe esta sexta-feira um voto de louvor na Assembleia da República, em Lisboa, três semanas depois de se tornar no primeiro português a completar uma expedição ao Polo Sul, atravessando a esquiar as paisagens tão belas como inóspitas da Antártida.

Point of view

Eu basicamente sou um aventureiro e gosto muito disso, mas não sou nenhum herói

Ângelo Felgueiras piloto e aventureiro

Para além de divulgar a notícia da conquista do português, a euronews teve a oportunidade e o privilégio de entrevistar este "aventureiro solidário" (veja a entrevista integral no fim deste artigo e leia neste link). Alguns excertos:

"Nós chegámos a esquiar com menos 48 graus."

"Estamos num dos locais mais inóspitos e mais agrestes da terra. Eu costumo dizer que o único animal suficientemente estúpido para se meter ali é mesmo o homem."

South Pole explorer. Credit: Angelo Felgueiras

"Eu basicamente sou um aventureiro e gosto muito disso, mas não sou nenhum herói. Quem está na Acreditar todos os dias a apoiar os jovens, [...] esses é que são os heróis. Eu sou só o cromo que ajuda a dar visibilidade."

"Eu não sou um passarinho de gaiola, portanto não acredito que a minha carreira de aventureiro termine por aqui."

"A primeira prioridade na vida é ser feliz."

O aventureiro foi convidado para ir ao Palácio de Belém a 8 de fevereiro e, no dia 15, participa num evento na Associação Acreditar para marcar o Dia Internacional da Criança Doente Oncológica, que contará com a presença do presidente Marcelo Rebelo de Sousa.

Até lá, a campanha "Esquiar por uma Causa" (que conta com um grupo Facebook e uma conta Instagram) continua em aberto e o aventureiro é o primeiro a sublinhar que ainda estamos a tempo e que nenhuma contribuição é pequena.