Última hora

Última hora

PM romena visita Bruxelas para falar sobre corrupção

Em leitura:

PM romena visita Bruxelas para falar sobre corrupção

Tamanho do texto Aa Aa

A primeira-ministra romena, Viorica Dăncilă, encontra-se de visita a Bruxelas onde se reuniu com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk e o presidente do parlamento, Antonio Tajani.

Point of view

"Recebi da primeira-ministra respostas tranquilizadores e a garantia de estar disponível para cooperar com o Parlamento Europeu"

Antonio Tajani Presidente, Parlamento Europeu

No centro da visita encontram-se as alterações legislativas relacionadas com os problemas de corrupção, da falta de transparência e competitividade que nas últimas semanas têm levado milhares de romenos a protestarem nas ruas de Bucareste.

"Pedi ao governo romeno para manter a convicção relativa ao processo de reformas, a luta contra a corrupção, a transparência e competitividade. Recebi da primeira-ministra respostas tranquilizadores e a garantia de estar disponível para cooperar com o Parlamento Europeu", disse Antonio Tajani, o presidente desta instituição.

Entre as alterações propostas conta-se a criação de um tribunal especial para o julgamento de juízes e magistrados entre outras alterações.

Os críticos do pacote proposto de alterações afirmam que, a serem aprovadas, as novas regras irão legalizar a corrupção.

"Estou preocupada com a situação na Roménia porque as alterações que já foram parcialmente propostas e parcialmente votadas ameaçam a luta contra a corrupção no país na medida em que essencialmente legalizam esta prática e tornam muito difícil para o sistema judicial condenar indivíduos", afirma Ska Keller, eurodeputada alemão dos Verdes.

A serem aprovadas, as alterações iriam beneficiar o líder do partido no poder, Liviu Dragnea, que não pode ser chefe do executivo devido a uma pena suspensa relacionada com fraude eleitoral.

Um conselheiro governamental próximo da primeira-ministra, Darius Valcov, foi recentemente condenado por tráfico de influências e branqueamento de capitais.

João Ferreira