Última hora

Última hora

Ghouta: Organizações humanitárias em compasso de espera

Em leitura:

Ghouta: Organizações humanitárias em compasso de espera

Tamanho do texto Aa Aa

Paradas. As ambulâncias estão preparadas para retirar os feridos do enclave de Ghouta, nos arredores de Damasco, mas os dias passam e a trégua humanitária continua sem ver a luz do dia.

As organizações de ajuda no terreno dizem ser impossível fazer o que quer que seja no espaço de cinco horas, mais ainda quando os bombardeamentos se mantêm. Garantem, por isso, que os civis continuam encurralados e que a ajuda humanitária ainda não chegou a quem precisa.

Ao fim de 11 dias de bombardeamentos lançados pelo regime sírio e pelos países aliados, Damasco lançou uma operação terrestre na tentativa de assumir o controlo do último bastião rebelde.

Durante um encontro com o chanceler austríaco, Vladimir Putin disse aquilo que no terreno todos negam: "Conseguimos fazer sair um grupo bastante grande, mas havia outro que estava preparado e que acabou por não sair, simplesmente, porque os militantes não permitiram que isso acontecesse."

Moscovo responsabiliza os rebeldes pelas sucessivas violações da trégua humanitária. Os grupos que combatem o regime de Bashar Al-Assad apontam o dedo a Damasco e aos países aliados. Certo, é que o número de mortos não para de aumentar. Desde 18 de fevereiro, e de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, já terão sido mortas mais de 600 pessoas.