Última hora

Última hora

Brigada da polícia ajuda os sem-abrigo a fugir do frio das noites de Bruxelas

Em leitura:

Brigada da polícia ajuda os sem-abrigo a fugir do frio das noites de Bruxelas

© Copyright :
REUTERS/Francois Lenoir
Tamanho do texto Aa Aa

Sete horas da tarde. a noite cai em Bruxelas, capital da Bélgica. A euronews acompanhou dois inspetores da polícia numa patrulha especial pelas ruas da também capital de facto da União Europeia.

Chris Van de Haute e Guido Geeraerts fazem parte do chamado "esquadrão Herscham", uma brigada especial da polícia belga cuja missão é ajudar os sem-abrigo a escapar do frio. Pelo menos por uma noite.

A temperatura na rua ronda os -5°C. Os dois polícias tentam convencer os sem-abrigo a refugiarem-se nos centros de alojamento temporário.

Após interpelar um sem-abrigo, em inglês (há muitos estrangeiros a viver na rua da capital belga), Chris Van de Haute explica-nos que "é preciso sempre um pouco de psicologia".

"Aqui, negociámos cinco a dez minutos, não mais, porque ele não queria sair da rua. Mas se for alguém que eu perceba estar mesmo necessitado, pressiono um pouco mais", garante, deixando subentendido que o refúgio é sempre uma decisão pessoal.

Por noite, esta brigada especial consegue colocar em média entre cinco e dez pessoas em segurança. Nunca usam a força, exceto quando há crianças em causa.

"Os miúdos são obrigados a acompanhar os pais a dormir na rua. Ao frio. Mas não foram eles que o escolheram...", sublinha Guido Geeraerts, o outro inspetor da equipa.

Guido e Chris patrulham as ruas há oito anos. Já fizeram algumas amizades entre os sem-abrigo.

Perguntámos a alguns destes se os polícias os visitavam com frequência.

Uma mulher de quase 90 anos, não identificada, diz-nos que a brigada a visita "sempre, todos os dias". "Quando passam, eles vêm sempre cumprimentar-me", diz-nos.

A idosa aceitou o convite dos polícias, mas, não muito longe, um homem, respondendo pelo nome Michael, preferiu continuar ao frio e explica-nos o motivo da recusa: "Nos centros de acolhimento, há muitos roubos. Também há muitas doenças. Por isso, prefiro evitá-los e ficar a dormir aqui e, pelo menos, ter tranquilidade."

Uma em cada duas pessoas costuma aceitar a ajuda do "esquadrão Herscham". Assistimos a Chris a garantir alojamento para mais uma.

"Sim, conseguimos um lugar. Propus e a pessoa aceitou, por isso, é um bom trabalho. Está feito!", conclui.

Mas a missão desta brigada especial ainda não acabou.

Guido e Chris prosseguem pelas ruas na sua patrulha noturna em busca de mais sem-abrigo em perigo perante o intenso frio de Bruxelas.