Última hora

Última hora

Cinco Estrelas e Liga surpreendem e ganham peso nas eleições italianas

Em leitura:

Cinco Estrelas e Liga surpreendem e ganham peso nas eleições italianas

Tamanho do texto Aa Aa

O Movimento Cinco Estrelas liderado por Luigi di Maio foi o partido mais votado nas eleições legislativas deste domingo em Itália.

Segundo os últimos números conhecidos ao início da madrugada, a formação antisistema conseguiu cerca de 32% dos votos para a Câmara dos Deputados e para o Senado.

O Cinco Estrelas fica apenas atrás da coligação de centro direita, mas deve ser decisivo para definir o futuro governo, como reconheceu o deputado Alessandro di Battista na primeira reação oficial aos resultados.

"Todos vão ter de vir falar connosco. Aliás, e quero dizer isto a todos os cidadãos, esta é a melhor garantia de transparência para o povo italiano, porque todas as outras forças políticas têm de se sentar e conversar com o Movimento, usando os nossos métodos de transparência, correção e credibilidade", declarou.

A outra sensação da noite foi a Liga, de Matteo Salvini. O partido nacionalista foi o mais votado na coligação de centro direita, que junta a Força Itália, de Sílvio Berlusconi, e os Fratelli d'Itália, de Giorgia Meloni, e pode assim dar a Salvini a chance de ser primeiro ministro.

"Aguardamos pelo futuro com grande tranquilidade, serenidade e consciência; sabemos o que temos de fazer. Este é um momento histórico para a Liga, porque nunca tínhamos alcançado estes resultados no passado. Tivemos votos de norte a sul e creio que o desafio de Matteo Salvini foi vencido", afirmou aos jornalistas Giancarlo Georgetti, representante da Liga.

A ascensão da Liga será uma pedra no sapato de Silvio Berlusconi.

O líder da Força Itália perdeu o domínio na coligação e pode deixar de ter o poder de escolher quem é o primeiro ministro para representar esta aliança.

Em sentido inverso, o ato eleitoral ficou aquém das expectativas para o Partido Democrático, de Matteo Renzi. A formação de centro esquerda, que está no poder desde 2013, ficou pouco acima dos 20 por cento e só uma coligação mais alargada poderá evitar a passagem dos democratas à oposição.