This content is not available in your region

60 minutos às escuras pela sustentabilidade do Planeta Terra

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Uma instalação luminosa sublinhou nas Filipinas a "Hora do Planeta"
Uma instalação luminosa sublinhou nas Filipinas a "Hora do Planeta"   -   Direitos de autor  REUTERS/Romeo Ranoco

Uma centena de municípios portugueses associaram-se este sábado à chamada "Hora do Planeta", uma iniciativa simbólica do World Wildlife Fund.

A organização não-governamental de defesa e conservação da Natureza iniciou em 2007, na Austrália, este alerta para a necessidade de se mudarem comportamentos pela sustentabilidade do planeta.

Hoje em dia, milhões de pessoas em todo o mundo já se associam a esta iniciativa, que contou também com um apelo à participação do secretário-geral das Nações unidas, o português António Guterres.

Em Portugal, a "Hora do Planeta" decorreu entre as 20:30 e as 21:30.

Entre os monumentos portugueses que se comprometeram a apagar as luzes estavam o Cristo Rei, o Castelo de São Jorge, a Torre de Belém e o Mosteiro dos Jerónimos, na região de Lisboa; o Museu do Mar, em Cascais; os castelos de Guimarães, de Pombal, de Silves e de Figueira de Castelo Rodrigo; o Santuário do Sameiro e do Bom Jesus (Braga); a Casa Amarela (Viseu); a Ponte D. Maria; o Convento S. Francisco (Santarém); ou a Ponte D. Luís (Porto).

O número de autarquias a aderir a esta 11.ª edição da Hora do Planeta ainda terá ficado abaixo das 144 registadas em 2017, o maior número de sempre em Portugal. Este ano, apenas 101 municípios portugueses se mostraram disponíveis para participar no alerta simbólico.

Por todo o mundo, alguns dos mais famosos monumentos também apagaram as luzes durante uma hora este sábado à noite e isto no final de uma semana marcada pelo Fórum Mundial da Água, em Brasília, onde foram revelados alguns estudos internacionais muito preocupantes sobre a sustentabilidade dos recursos naturais do planeta.