Última hora

Última hora

Lusodescendente com John Legend na reposição de "Jesus Cristo Superstar"

Em leitura:

Lusodescendente com John Legend na reposição de "Jesus Cristo Superstar"

Tamanho do texto Aa Aa

Sara Bareilles vai subir este domingo ao paco, em Brooklyn, nos Estados Unidos para reencarnar "Maria Madalena" na reposição para televisão em forma concerto ao vivo da célebre ópera rock "Jesus Cristo Superstar."

Quase a chegar aos 40 anos, a cantora pop norte-americana vai partilhar o palco como uma "lenda" do R&B, pelo menos a julgar pelo nome artístico: John Legend.

O afroamericano saltou para ribalta em 2005 e tem vindo a construir uma carreira sólida na música mais comercial dos Estados Unidos.

Este fim de semana, John Legend salta para o palco para reencarnar um "Jesus Cristo" negro e, claro, está a dar que falar por esta reinterpretação do papel que nos primeiros tempos da ópera pertenceu a Ian Gillan, o vocalista dos Deep Purple.

A produção deste novo espetáculo pertence à NBC e conta entre os produtores executivos com o autor da obra original, Andrew Lloyd Webber, e com o letrista original, Tim Rice.

"A ópera 'Jesus Cristo Superstar' funciona na plenitude quando é um concerto rock altamente encenado", resume Webber, a poucos dias da única interpretação desta reposição produzida como um concerto ao vivo para ser exibida domingo à noite em exclusivo pela estação de televisão americana, conhecida pelos musicais de Natal, mas que este ano decidiu encenar um também na Páscoa.

Para John Legend, o "Cristo" afroamericano, "o que é especial acerca deste espetáculo é a abordagem das emoções humanas que Jesus terá sentido quando estava prestes a ser cruxificado pela fé que tinha."

"Jesus Cristo superstar" estreou-se em palco em 1971 e dois anos depois "saltou" para o cinema. Nesta reposição para televisão, destaque também para a presença do ícone do rock Alice Cooper, como "rei Herodes."

O espetáculo vai ser encenado ao vivo, em Brooklyn, num antigo arsenal de armas do século XIX perante 1300 pessoas, mas pela televisão apenas deverá poder ser visto em direto exclusivamente nos Estados Unidos.

A estação que o emite não dá qualquer informação sobre a difusão da ópera no resto do mundo.

Mais sobre Cult