Última hora

Última hora

"Tudo o que faço odeio tanto quanto me dá prazer"

Em leitura:

"Tudo o que faço odeio tanto quanto me dá prazer"

Tamanho do texto Aa Aa

Terry Gilliam encena pela segunda vez a ópera de Hector Berlioz "Benvenutto Cellini". Desta vez na Ópera de Paris, onde fica em cena até 14 de abril.

Tal como no filme "Brazil", o cineasta agora com 77 anos cria paisagens e universos únicos.

Neste bónus, o distinto cineasta, argumentista e comediante britânico, de 77 anos, deixa-nos entrar e ver por dentro a visão que teve para este espetáculo.

"Nos filmes, estou ali sempre presente com a câmara, muito perto da ação. Aqui, estou a trabalhar com a Leah Hausma, a minha codiretora, que de facto me ensinou tudo. O pouco que sei sobre ópera, foi ela que me ensinou.

"Ela vai lá para cima trabalhar com os cantores no palco. Eu sento-me lá atrás a observar, o que é algo que não consigo fazer num filme porque estou sempre no meio da ação.

"O mais difícil é nos filmes: não temos tempo para ensaiar muito, apenas vamos para o cenário, filmamos e fazemos acontecer o momento enquanto a câmara está a gravar.

"Na ópera, temos um par de meses para ensaiar, o que me parece muito difícil de me habituar. Os ritmos são diferentes para mim.

"Não precisamos apenas de bons cantores. Precisamos de bons atores. É mesmo muito importante senão os personagens não ganham vida. Por isso, tentamos que eles não cantem para o público, mas que se mantenham na cena.

"Se estás apaixonado, concentra-te na pessoa que amas. Não digas: 'Ei! Plateia! Amem-me a mim'. Não. Faz com que ele [à tua frente] te ame.

"Tens de ser muitas coisas diferentes para seres um bom artista. Tens de ter paixão. Tens de sonhar. Tens de ser resiliente. Tens de ser capaz de controlar as coisas, os objetos... É isso que penso ser arte.

"O conflito entre um género de controlo de uma organização e fantasia. Se essas duas coisas funcionarem, podemos criar explosões.

"E estamos a lutar connosco mesmos a toda a hora quando fazemos arte porque temos de ser o nosso pior crítico se quisermos ser alguma coisa de jeito.

"Detestamos o que fazemos num minuto, mas depois adoramos no minuto seguinte.

"Tudo o que faço -- filmes, operas -- eu odeio tanto quanto me dá prazer. É uma linha muito ténue.

"De momento, não tenho outros planos. Não tenho planos na minha vida neste momento porque basicamente quando se termina algo o mundo colapsa e, quando trabalhamos, há um mundo que estamos a criar e que existe, e isso domina a tua vida.

"Quando acaba, é como os cenários, tudo desaparece. As luzes apagam-se e nós ficamos apenas num buraco escuro, como este em que estamos neste momento."

Mais sobre musica