Presidente da Ryanair defende recuo britânico no Brexit

Access to the comments Comentários
De  João Paulo Godinho  com LUSA
Presidente da Ryanair defende recuo britânico no Brexit
Direitos de autor  REUTERS/Gleb Garanich

O presidente executivo da Ryanair, Michael O'Leary, apelou a uma reversão britânica no processo de saída da União Europeia. O líder da companhia aérea low cost deu uma conferência no Estoril e alertou para os riscos do 'Brexit' no tráfego aéreo.

Em causa pode estar a continuidade britânica no regime de céus abertos, o que, em última instância, pode comprometer os voos entre o Reino Unido e o resto da Europa.

"Se o Reino Unido deixa a União Europeia num Brexit duro e sem acordo, os voos entre o Reino Unido e a Europa param. Porque a Grã-Bretanha terá de deixar o regime de céus abertos também. Não é algo voluntário, se deixas a União sem acordo, deixas o regime. E isso significa o fim dos voos."

O presidente da transportadora aérea irlandesa assumiu que o anunciado acordo de transição previsto pela maioria dos especialistas, cuja entrada em vigor seria a partir de abril de 2019, deverá permitir que as pessoas não notem grandes diferenças.

No entanto, O'Leary garante que o Reino Unido vai deixar de ter influência na Europa, mantendo uma elevada fatura a pagar para manter os direitos atuais.

"O Reino Unido vai continuar a pagar à União Europeia, vai continuar a obedecer a todas as regras. Simplesmente vão deixar de ter poder. Por isso, a Grã-Bretanha vai ficar numa posição pior durante o acordo de transição, só que as pessoas não vão notar. E isso é um período perigoso para o Reino Unido e a Europa", frisou.

O fim do Brexit está marcado para o dia 29 de março de 2019.