This content is not available in your region

Arrancou campanha para as presidenciais venezuelanas

Access to the comments Comentários
De  Nelson Pereira
Arrancou campanha para as presidenciais venezuelanas

Nicolas Maduro iniciou a campanha pela reeleição nas presidenciais de 20 de maio com uma cerimónia indígena da etnia Pemón em Puerto Ordaz. Enquanto o seu principal rival, Henri Falcón, afirma querer despolitizar a petrolífera estatal PDVSA, o presidente da Venezuela promete vencer a "guerra económica":

"Se for reeleito como presidente da República, prometo uma vitória definitiva contra a guerra económica, liderando uma revolução económica com a classe trabalhadora."

Henri Falcón decidiu enfrentar Maduro sozinho, apesar dos apelos à abstenção dos dirigentes da coligação de oposição Mesa de Unidade Democrática (MUD). O militar da reserva de 56 anos, dissidente do chavismo, promete reconstruir a economia e colocar a Venezuela no caminho da prosperidade:

"Peço-vos apenas um dia de vossas vidas, apenas um dia para o seu país: 20 de maio. Se todos aceitarmos este desafio com responsabilidade, não tenho dúvidas de que a Venezuela será mais uma vez e por muitos anos uma referência mundial de paz, democracia, transformação, prosperidade e grandeza".

Falcon e o seu consultor económico Francisco Rodriguez, economista-chefe da consultoria Torino Capital de Nova Iorque, apresentaram planos para separar a companhia petrolífera estatal do Ministério do Petróleo, pedir que a Organização dos Países Produtores de Petróleo aumente as participações do país e fortalecer o papel de parceiros estrangeiros.

A Venezuela é alvo de um embargo dos EUA desde 2014 e da UE desde novembro de 2017.

Em default parcial, o país com as maiores reservas de petróleo do mundo enfrenta uma hiperinflação de 13.864% e uma queda do PIB 15% para 2018, de acordo com estimativas do FMI.