Última hora

Última hora

UE e ONU apelam a trégua humanitária na Síria

Em leitura:

UE e ONU apelam a trégua humanitária na Síria

Tamanho do texto Aa Aa

Depois de passar a controlar Ghouta Oriental, o exército sírio e os seus aliados tentam, esta terça-feira, recuperar os poucos bastiões rebeldes à volta da capital, Damasco.

Point of view

"Esperamos que se consiga garantir que Idlib não será uma nova Aleppo ou uma nova Goutha Oriental"

Staffan di Mistura Enviado Especial da ONU para a Síria

No mesmo dia, em Bruxelas, a União Europeia (UE) e a Organização das Nações Unidas (ONU) co-organizam a segunda conferência para apoiar o povo sírio e reiteraram a necessidade de obter um cessar-fogo humanitário e de retomar o diálogo político.

"É vital que a cessação das hostilidades, em particular por causa do acesso humanitário, seja garantida. A UE não é - nunca foi - um protagonista militar, mas sim humanitário e político", disse Federica Mogherini, chefe de diplomacia da UE.

O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, também apelou ao fim da escalada militar e alertou para um novo ponto crítico ao nível humanitário.

"Idlib é o novo grande desafio: 2,5 milhões de pessoas. Ninguém acredita que todos eles são terroristas. Como é óbvio, são mulheres, crianças, civis. Esperamos que esta seja também a ocasião para garantir que Idlib não será uma nova Aleppo ou uma nova Goutha Oriental", disse o diplomata.

No primeiro dia, a conferência, que termina na quarta-feira, convidou representantes de 85 países e organizações para debater meios para dar assistência a 18 milhões de sírios com maiores necessidades de apoio humanitário: 13 milhões que estão no país e cinco milhões de refugiados no exterior, sobretudo no Líbano, Jordânia e Turquia.

"O Crescente Vermelho Árabe Sírio está a entregar alimentos e outros bens em todo o país (Síria) onde há maiores necessidades e tem, também, um enorme projeto de serviços de saúdes. O orçamento da nossa organização, este ano, é de cerca de 50 milhões de francos suíços (41,8 milhões de euros). É um grande orçamento e a lacuna para o preencher é enorme", explicou, à euronews, Paula Fitzgerald, representante para a Síria da Federação Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.

A correspondente da euronews em Bruxelas, Isabel Marques da Silva, acrescentou que "depois da conferência do ano passado, 33 dos 42 doadores cumpriram suas promessas, mas o dinheiro arrecadado é apenas metade dos apelos de financiamento feitos pela ONU, pelo que é pedida maior solidariedade à comunidade internacional".