Última hora

Última hora

50 anos após o Maio de 68

Em leitura:

50 anos após o Maio de 68

Tamanho do texto Aa Aa

O mês de maio de 1968 revolucionou a França e também a Europa...

Há cinquenta anos, esse movimento social de estudantes e trabalhadores mudou a história do velho continente.

Tudo começou com a mobilização dos estudantes parisienses, um movimento libertário essencialmente antiautoritário que denunciou, na época, o imperialismo em todas as suas formas, reivindicou a libertação da moral e desafiou a velha universidade e a sociedade de consumo que haviam conquistado França após 10 anos de prosperidade e o início do desemprego.

"É proibido proibir, sob as calçadas da praia", "Corre, camarada, o velho mundo está atrás de ti", "Seja realista, exija o impossível"... São muitas as palavras de ordem que florescem...

As manifestações foram seguidas de repressão policial. Entre maio e junho de 1968, contam-se pelo menos sete mortos, mais de 2.000 feridos e centenas de detenções.

O maio francês está alinhado com o que está a acontecer nos círculos de estudantes e trabalhadores em países como a Alemanha, Estados Unidos, México, Japão, Brasil, Checoslováquia e na China.

A causa estudantil atraiu a simpatia dos trabalhadores, inicialmente hostis ao movimento estudantil. A 13 de maio de 1968 iniciam a maior greve geral do século XX, superando a de 1936 da Frente popular. O país fica semanas paralisado.

Além de reivindicações materiais ou salariais, questiona-se o regime de Charles de Gaulle, no poder desde 1958.

Os trabalhadores acabarão por obter um aumento no salário médio de 35%, e 10% para os salários reais, o pagamento dos dias de greve a 50% e a criação de uma secção sindical... Estes são os acordos de Grenelle, rejeitados pela base, nunca foram assinados, mas acabaram por ser aplicados pelo Governo...

O fim do movimento ocorrerá imediatamente após a dissolução da Assembleia Nacional, a 29 de maio, pelo general De Gaulle e a convocação de eleições antecipadas para 30 de junho de 1968, sob a proposta do então primeiro-ministro George Pompidou.

Em retrospetiva, alguns evocam uma revolução fracassada, mas reformas bem-sucedidas... Deste período permanecem algumas figuras proeminentes como Daniel Cohn-Bendit, um dos primeiros estudantes a manifestar-se, que acabou por ser expulso de França.

"Não creio que as revoltas estudantis terminem com o que queremos, uma nova sociedade baseada num conselho de trabalhadores. Eu sei que não é o tempo para isso, mas penso que o importante agora em França é que as pessoas aprenderam que podem mudar alguma coisa se forem para as ruas ou para as fábricas. Isso é importante ", dizia na época.