Última hora

Última hora

Novo modelo eleitoral define parlamento proporcional no Líbano

Em leitura:

Novo modelo eleitoral define parlamento proporcional no Líbano

© Copyright :
REUTERS/Jamal Saidi
Tamanho do texto Aa Aa

O Libano realizou este domingo as primeiras eleições parlamentares no país em quase uma década.

O sufrágio sucede a um período de crise política pressionada pelo atual primeiro-ministro, Saad Hariri, que chegou a pedir a demissão e a exilar-se na Arábia Saudita com acusações ao Hezbollah.

Um novo sistema eleitoral foi implementado, impondo uma representação proporcional na assembleia.

Após exercer votar, o primeiro-ministro comparou o que se passa nos países vizinhos com as eleições libanesas, que diz serem democráticas. Saad Hariri disse ser "um sinal de que o Líbano está no bom caminho" da democracia.

Ainda assim, o sunita não deverá livrar-se de uma nova coligação com os rivais xiitas do Hezbollah

O secretário-geral adjunto do grupo apoiado pelo Irão disse que "estas eleições são uma oportunidade importante para todos os libaneses votarem de acordo com a lei da proporcionalidade, a qual vai permitir a cada grupo estar representado no Parlamento".

O presidente do Líbano votou logo pela manhã Michel Aoun apelou à participação e sublinhou tratar-se de "uma chance dos libaneses poderem escolher quem melhor consideram representa-los" na assembleia.

Havia 583 candidatos de 15 distritos a correr por um dos 128 lugares no Parlamento libanês.

A taxa de abstenção terá sido superior aos 50 por cento e as previsões apontam para um reforço do poder do Hezbollah, e logo da influência do Irão na região, embora seja expetável que Saad Hariri se mantenha à frente de um novo governo de coligação.