This content is not available in your region

"SIM" vence referendo ao aborto na Irlanda

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira
"SIM" vence referendo ao aborto na Irlanda

Já se sabia que o "Sim", no referendo ao aborto, na Irlanda tinha vencido, mas agora é oficial. 66,4 por cento dos eleitores querem mudanças. Apenas 33,6% votou "Não". Não se chegou aos 69 por cento, previstos pelas sondagens, ainda assim esta vitória é a garantia de que os irlandeses querem abrir um novo capítulo nesta história até porque 63 por cento foram às urnas.

Para o chefe do executivo não há dúvidas:

"As pessoas falaram e disseram que este é um país em que confiamos nas mulheres e respeitamos as suas escolhas. Muito obrigado por tornarem este dia possível", adiantou Leo Varadkar.

Para o ministro da Saúde é preciso passar, rapidamente, das palavras às ações:

"A Irlanda votou e disse que quer poder cuidar das mulheres no seu próprio país, com compaixão. Pretendo falar com o governo, na terça-feira, na reunião, e pedir autorização para redigir essa lei. Deverá ser uma lei que permita a interrupção sem indicação específica, nos estágios iniciais da gravidez, até às 12 semanas. Depois disso, apenas a houver risco para a saúde ou vida da mulher, ou uma anomalia no feto que seja fatal", afirmou Simon Harris.

"O eleitorado votou a favor do fim da proibição do aborto, inscrito na Constituição. Os irlandeses tinham já aprovado, há alguns anos, a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo, com uma maioria de 62%. Hoje, ninguém esperava que o resultado deste referendo fosse tão expressivo, já que as sondagens diziam que o resultado estava renhido. Cabe agora ao Parlamento da Irlanda decidir qual será a nova lei que se espera veja a luz do dia até Dezembro", explica Vincent McAviney, correspondente da euronews.