Última hora

Última hora

Epidemia de hepatite E chega ao norte da Namíbia

Em leitura:

Epidemia de hepatite E chega ao norte da Namíbia

Tamanho do texto Aa Aa

As autoridades namibianas confirmaram a morte de 15 pessoas por um surto de hepatite E. Quase todas as vítimas eram da região de Windhoek a capital do país africano, sendo a última da região de Omusati, na fronteira com Angola. Encontrava-se internada no Hospital Estatal de Oshakati.

A maioria dos casos tinha sido registada no centro da Namíbia - cerca de 500 casos na região de Windhoek, a maioria dos quais, em bairros de lata, mas também nos distritos de Havana, Goreangab, Hakahana e Greewell.

No norte, foram detetados também dezenas de casos de pessoas com os sintomas da doença - cerca de 40 permanecem observação e 10 casos estão já confirmados.

De acordo com o jornal The Namibian, a nova epidemia fica a dever-se ao Festival de Omagongo, que teve lugar em Tsandi, na região de Omusati, no fim-de-semana passado.

A hepatite E transmite-se através da água e dá-se em contextos de falta de higiene, muitas vezes em lugares sem estruturas de saneamento adequados. É mais comuns em países da Ásia meridional.

Entre os sintomas da hepatite E encontram-se a cor amarelada da pele, a urina escura, anorexia e sinais de cansaço extremo.

Em janeiro deste ano, o presidente da Câmara de Windhoek, Muesee Kazapua, anunciou investimentos para lutar contra um surto de hepatite E.