Última hora

Última hora

Flotilha a caminho de Gaza

Em leitura:

Flotilha a caminho de Gaza

Tamanho do texto Aa Aa

Em 2012, Charlie Andreasson participou como navegador na missão Estela, que tentou romper o bloqueio marítimo de Gaza, mas foi intercetado pela Marinha de Israel. Este ativista diz que vai navegar até Gaza: "Para mim é uma questão de consciência. Se um dos meus filhos me perguntasse por que é que, sabendo do que se passava nessa região, eu não fazia nada, o que é que eu poderia responder? Eu tenho de dar uma resposta".

Segundo a organização, os participantes nesta missão estão a ser treinados para resistirem de forma passiva e assinaram um compromisso de não usarem violência contra a marinha israelita. O formador, John Turnbull, veio de Vancouver: "Não queremos ser feridos e não queremos ferir qulaquer pessoa, Queremos desafiar ideais, desafiar opiniões".

A primeira flotilha que tentou levar ajuda humanitária a Gaza, há oito anos, teve um final trágico. Uma operação militar de Israel contra seis navios civis da "Flotilha da Liberdade" provocou a morte de dez ativistas. Dez soldados israelitas ficaram feridos.

A bordo da flotilha que está agora a caminho de Gaza há uma israelita nascida e criada perto de Nazaré. Residente em Espanha há doze anos, Zohar Chamberlain Regev tem participado sempre na componente espanhola da Flotilha da Liberdade. "Nós não estamos filiados a qualquer grupo político, nem dentro da Palestima, nem fora da Palestina. Nós navegamos para Gaza e não navegamos contra Israel. Na verdade, pensamos que temos os melhores interesses de Israel no coração quando fazemos isto, porque pensamos que o respeito pelos Direitos Humanos e pelo Direito Internacional é bom para todos os residentes da área", realça.