This content is not available in your region

Senado vota polémica reforma do setor ferroviário

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Senado vota polémica reforma do setor ferroviário
Direitos de autor  REUTERS/Benoit Tessier/Arquivo

O Senado francês vota esta terça-feira o projeto-lei que representa um dos maiores quebra-cabeças do governo de Emmanuel Macron: a reforma do estatuto da SNCF, a Sociedade Nacional dos Caminhos-de-ferro Franceses.

Uma reforma fundamental, segundo o executivo francês, antes da abertura do mercado à concorrência internacional, prevista para 2020.

Mas os sindicatos criticam o projeto que, segundo eles, ameaça os direitos e estatuto dos trabalhadores do setor, que atualmente contam com vantagens nomeadamente em termos de reforma antecipada e programas de pensões dedicados. Os protestos e paralizações multiplicam-se há vários meses e os contestatários dizem que a transformação em sociedade anónima abre a via à futura privatização da SNCF, o que o governo nega.

O autor do projeto-lei, ao qual já foram propostas mais de 600 emendas, defende que é apenas o começo de uma série de profundas mudanças que serão definidas com a ajuda dos trabalhadores.

Jean-Baptiste Djebbari: "A reforma - no espectro político - será aprovada a meio de junho e será completada. E vai ser adaptada à melhoria e modernização do sistema ferroviário. O que quero dizer com isto é que a reforma vai continuar porque, começando em junho, haverá um diálogo sobre o acordo coletivo de trabalho com todos os sindicatos, à volta da mesa das negociações. E, a partir daí, eles terão dois anos para concluir este acordo coletivo, que deverá tornar-se numa ferramenta de proteção para os trabalhadores do setor ferroviário. Por isso, mesmo se a reforma acabará em breve em termos legislativos, vai continuar com um diálogo social, no qual todos os sindicatos e trabalhadores estão implicados."

Anelise Borges, euronews: "A reforma da SNCF é uma das maiores batalhas do governo francês. Várias administrações tentaram no passado e abandonaram. Agora a questão é se o presidente Emmanuel Macron vai tornar-se naquele que conclui a missão."