Última hora

Última hora

O porto seguro no Mediterrâneo

Em leitura:

O porto seguro no Mediterrâneo

Tamanho do texto Aa Aa

No porto de Catania, no sul de Itália, dezenas de voluntários trabalham afincadamente para se assegurarem que não falta nada aos migrantes que são resgatados durante a perigosa travessia do Mediterrâneo.

Lauren King é um exemplo e trata da parte logística por trás das operações dos Médicos Sem Fronteiras:

"Queremos que tenham roupa limpa e seca e encorajamo-los a beber um pouco de água. Normalmente estão bastante desidratados depois de passar algum tempo num barco de borracha. É isso que estamos a entregar. Caso sejam resgatadas 500 pessoas, haverá o suficiente para todos."

A logística não ficaria completa sem uma equipa médica a bordo. Para Amoin Soulemane trata-se apenas da segunda vez que participa numa missão de resgate, na estreia foi protagonista de uma história inolvidável:

"Foi a primeira vez que ajudei um bebé a nascer num barco."

A criança a quem foi dado o nome de "Milagre" tornou-se conhecida internacionalmente depois de vir ao mundo na rota migratória mais mortífera do planeta. Encontrou um porto seguro graças aos Médicos Sem Fronteiras.

Para a parteira, o momento "foi comovente para toda a equipa" e "todos queriam saber como estava a correr. Quando o bebé chorou era visível a alegria nas suas caras."

Nem todos tiveram tanta sorte como o bebé Milagre. Este ano morreram mais de 600 pessoas enquanto tentavam atravessar o Mediterrâneo, o que torna operações como esta, cruciais.

No entanto, nem toda a gente está de acordo na União Europeia. Para alguns, estas iniciativas acabam por encorajar ainda mais migrantes a arriscar as suas vidas na travessia.