Última hora

Última hora

A vida a bordo do Aquarius

Em leitura:

A vida a bordo do Aquarius

A vida a bordo do Aquarius
Tamanho do texto Aa Aa

A correspondente da euronews a bordo do Aquarius, Anelise Borges, tem acompanhado o difícil quotidiano dos migrantes resgatados, para quem esta viagem, apesar de árdua, representa o começo de uma nova vida com a esperança num futuro melhor.

Para os membros das ONGs que os acompanham, estes dias em alto mar são um lembrete constante das razões pelas quais participam nesta missão.

Anthony Luca-Tassel, SOS Méditerranée: "Esta é a minha casa e isto está a acontecer no meu quintal. É doloroso, ver que existirão sempre homens que se aproveitam de outros homens. Esquecemos a humanidade em tudo isto. Pensamos no dinheiro e em coisas fúteis, mas não pensamos acerca das vidas."

Desde que começou a conduzir operações de busca e salvamento no mar Mediterrâneo em 2016, o Aquarius assistiu perto de 30.000 pessoas. Mas atualmente a missão encontra-se em risco e as ONGs a bordo não sabem se poderão continuar a oferecer ajuda aos que tentam atravessar uma das rotas de migração mais mortíferas do mundo.

Nicola Stalla, coordenador da SOS Méditerranée: "Obviamente, a nossa intenção é poder voltar às operações de busca e salvamento ao largo das costas líbias assim que possível, mas neste momento é difícil antever quanto tempo vai demorar."

Enquanto o Aquarius continua a viagem até ao porto espanhol de Valência, tanto os que recebem como os que oferecem ajuda a bordo têm mais questões do que respostas acerca do futuro. Para já, vivem dia a dia apenas com a certeza de que as suas vidas foram alteradas para sempre por este encontro em alto mar.