This content is not available in your region

Mais de 300 migrantes bloqueados no Mediterrâneo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Mais de 300 migrantes bloqueados no Mediterrâneo

Reféns de um braço-de-ferro europeu, mais de 300 migrantes continuam bloqueados no Mediterrâneo a bordo de duas embarcações. 234 - entre eles quatro crianças e 14 mulheres - encontram-se no navio Lifeline, da organização não-governamental alemã com o mesmo nome, ao largo da costa de Malta.

Receberam a visita de Manuel Sarrazin, do Partido Verde no Parlamento Alemão, e do deputado do PCP no Parlamento Europeu João Pimenta Lopes. A bordo inteiraram-se da situação humanitária.

Outras 113 pessoas estão no cargueiro Alexander Maersk, da empresa dinamarquesa Maersk Line. Encontram-se em águas italianas, perto da ilha de Sicília, à espera de um desfecho positivo como o que aconteceu no Porto de Valência com o Aquarius.

Nem Itália nem Malta autorizam o desembarque de migrantes em portos dos respetivos países.

"Estamos a despender todo o nosso tempo a tentar falar com os que querem ficar a par deste problema que temos em mãos. Esse é o nosso objetivo: fazer com que as pessoas percebam que isto não é sustentável. Que as pessoas que resgatámos têm de ser transportadas de forma segura para terra para receberam a atenção adequada que merecem. Não é uma coisa que possamos assumir e por isso precisamos de resolver numa questão horas e minutos, não dias. Precisamos de resolver agora", sublinhou, em entrevista à Euronews, Palle Laursen, vice-Presidente e diretor técnico da Maersk Line.

O navio dinamarquês Alexander Maersk foi concebido para pouco mais de 20 elementos de tripulação e não dispõe de instalações sanitárias suficientes para dar resposta a mais de cem pessoas a bordo.