Quatro das cinco cidades mais caras do mundo ficam na Ásia

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com Lusa
Quatro das cinco cidades mais caras do mundo ficam na Ásia
Direitos de autor  REUTERS/Thomas White

Viver na Ásia pode ser muito caro e também muito barato. É no maior continente que ficam quatro das cinco cidades mais caras do mundo e três das cinco mais baratas: Tachkent (Uzbequistão), Bishkek (Quirguistão) e Karachi (Paquistão). 

Na geografia do custo de vida, paga-se mais em Hong Kong, depois em Tóquio, Singapura e em quarto lugar em Seul.

Hong Kong desfila assim na dianteira de uma lista que no ano passado foi encabeçada por Luanda. 

Segundo o ranking sobre o Custo de Vida de 2018 da Mercer ([Cost of Living Survey](no ranking sobre o Custo de Vida de 2018 da Mercer (Cost of Living Survey))), a capital angolana caiu para a sexta posição.

Na Europa, a Suiça é sinónimo de despesa, com três das cinco cidades mais caras, a começar por Zurique, que se destaca igualmente no terceiro lugar do ranking global, depois de Hong Kong e Tóquio.

De regresso à Europa, além de Zurique, Berna e Genebra formam o trio das mais caras e a factura sobe também mais a norte, em Londres e em Copenhaga.

Lisboa é menina e moça com um pezinho no top 100. Segundo a consultora, a capital portuguesa alcançou a maior subida de sempre, desde a realização do estudo. Surge na posição 93, ou seja escalou 44 lugares em relação ao ano passado, o que reflete o aumento dos preços das casas, das restauração e dos combustíveis.

Nos balcãs ficam as cidades mais baratas do continente europeu, tal como Sarajevo, Belgrado,  Bucareste, Sofia e Skopje.

Para avaliar custo de vida nas 209 cidades analisadas, o estudo compara mais de duas centenas de produtos que definem o dia-a-dia em cada local. Por exemplo, o preço de um café em Seul ou Hong Kong ronda os 10 dólares, mais de 8 euros e meio, ou seja dá para beber pelo menos dez cafés em Portugal.

Zurique e Luanda são as cidades onde comer um hamburguer é mais caro e em Londres ir ao cinema custa quase vinte euros.

Pôr gasolina no carro é outra das rotinas avaliadas. Hong Kong e Paris são as duas cidades onde fica mais caro abastecer. O litro de gasolina ronda os dois euros.