Última hora

Última hora

Quatro das cinco cidades mais caras do mundo ficam na Ásia

Em leitura:

Quatro das cinco cidades mais caras do mundo ficam na Ásia

Quatro das cinco cidades mais caras do mundo ficam na Ásia
© Copyright :
REUTERS/Thomas White
Tamanho do texto Aa Aa

Viver na Ásia pode ser muito caro e também muito barato. É no maior continente que ficam quatro das cinco cidades mais caras do mundo e três das cinco mais baratas: Tachkent (Uzbequistão), Bishkek (Quirguistão) e Karachi (Paquistão).

Na geografia do custo de vida, paga-se mais em Hong Kong, depois em Tóquio, Singapura e em quarto lugar em Seul.

Hong Kong desfila assim na dianteira de uma lista que no ano passado foi encabeçada por Luanda.

Segundo o ranking sobre o Custo de Vida de 2018 da Mercer (Cost of Living Survey)), a capital angolana caiu para a sexta posição.

Na Europa, a Suiça é sinónimo de despesa, com três das cinco cidades mais caras, a começar por Zurique, que se destaca igualmente no terceiro lugar do ranking global, depois de Hong Kong e Tóquio.

De regresso à Europa, além de Zurique, Berna e Genebra formam o trio das mais caras e a factura sobe também mais a norte, em Londres e em Copenhaga.

Lisboa é menina e moça com um pezinho no top 100. Segundo a consultora, a capital portuguesa alcançou a maior subida de sempre, desde a realização do estudo. Surge na posição 93, ou seja escalou 44 lugares em relação ao ano passado, o que reflete o aumento dos preços das casas, das restauração e dos combustíveis.

Nos balcãs ficam as cidades mais baratas do continente europeu, tal como Sarajevo, Belgrado, Bucareste, Sofia e Skopje.

Para avaliar custo de vida nas 209 cidades analisadas, o estudo compara mais de duas centenas de produtos que definem o dia-a-dia em cada local. Por exemplo, o preço de um café em Seul ou Hong Kong ronda os 10 dólares, mais de 8 euros e meio, ou seja dá para beber pelo menos dez cafés em Portugal.

Zurique e Luanda são as cidades onde comer um hamburguer é mais caro e em Londres ir ao cinema custa quase vinte euros.

Pôr gasolina no carro é outra das rotinas avaliadas. Hong Kong e Paris são as duas cidades onde fica mais caro abastecer. O litro de gasolina ronda os dois euros.