Última hora

Última hora

Viagem pela mente criativa de um clarinetista virtuoso

Em leitura:

Viagem pela mente criativa de um clarinetista virtuoso

Viagem pela mente criativa de um clarinetista virtuoso
Tamanho do texto Aa Aa

O clarinetista Martin Fröst é conhecido pelas suas criações e concertos vanguardistas. A euronews falou com o músico sueco em Estocolmo.

"Sou o tipo de músico que quer ter uma vida tradicional como clarinetista clássico, inclusive como maestro. Mas, fico muitas vezes cansado do sistema da música clássica. Tenho vontade de me sacudir um pouco e mexer com o público. Quando o faço fico feliz por regressar a Mozart e a todos os tipos de repertório, mas eu gosto das misturas", explicou o artista sueco.

"Vivo momento mágicos durante os concertos, mas, recebo muito energia pelo simples facto de criar música na minha cabeça. Coloco muitas questões. Para onde vamos? Estamos sempre a olhar para trás. Temos medo do futuro. Mas eu tenho medo de outra coisa, tenho medo que as coisas morram, que não vivam", contou Fröst.

"A música clássica é um sistema. Temos a sinfonia numero 4 de Beethoven que deve soar de uma determinada maneira. Se alteramos o ritmo, as pessoas dizem para não o fazermos, para fazermos da forma correta. Estamos treinados para fazê-lo perfeitamente. Sou uma vítima desse sistema onde não somos educados para sermos criativos. Às vezes, é preciso correr o risco de fazer algo errado. É difícil ter o mesmo sentimento de liberdade dos músicos de jazz. Contar até quatro e sentir-se bem! Quando toquei com músicos de jazz, senti-me maravilhado porque eles estão relaxados e tocam", sublinhou o clarinetista e maestro sueco.

Mais sobre musica