Última hora

Última hora

Centenas em vigília depois de tiroteio em jornal de Anápolis

Em leitura:

Centenas em vigília depois de tiroteio em jornal de Anápolis

Centenas em vigília depois de tiroteio em jornal de Anápolis
Tamanho do texto Aa Aa

Centenas de pessoas reuniram-se perto do Capitólio do estado norte-americano de Maryland, na cidade de Anápolis, para uma vigília em memória das cinco vítimas mortais do tiroteio num edifício de um dos jornais mais antigos dos Estados Unidos.

O Capital Gazette foi atacado por Jarod Ramos, de 38 anos, que já tinha ameaçado o jornal nas redes sociais, em 2013.

Ramos chegou a processar, sem êxito, o jornal, depois de ter sido publicado um artigo sobre um caso de assédio sexual a uma mulher em que o atacante se tinha declarado culpado.

Sexta-feira, o ambiente era de pesar. Foram acesas velas em memória das vítimas, enquanto um repórter do Capital Gazette leu os nomes das vítimas.

Foi feita uma marcha pelo centro de Anápolis, a capital do pequeno estado da costa leste dos Estados Unidos.

Entre as vítimas mortais encontram-se um dos assistentes editoriais do jornal, Rob Hiaasen, de 59 anos, irmão do escritor Carl Hiassen. Morreram também Gerald Fischman, editor, Wendi Winters, editora, John McNamara, repórter, e Rebecca Smith, assistente de vendas.

O Gazette decidiu não apresentar queixa, por temor a represálias.

Jarod Ramos foi acusado de homicídio premeditado e poderia enfrentar a cadeia perpétua.

Os media norte-americanos descrevem o ataque como o mais grave sofrido por jornalistas na história dos Estados Unidos.