Última hora

Última hora

A morte lenta da pesca na Grécia

Em leitura:

A morte lenta da pesca na Grécia

A morte lenta da pesca na Grécia
Tamanho do texto Aa Aa

O pescador Panagiotis Pagonis, de setenta e dois anos, está no convés de seu barco, o "Katerina". Vê-se-lhe a careta com que amaldiçoa mais uma rede vazia, à medida que o sol vai rompendo o horizonte.

Atribui a queda de 50% da captura a uma pesca excessiva, à falta de regulamentação é à poluição. Isto, juntamente com os elevados custos operacionais, obriga-o a baixar os braços.

''Há 67 anos que faço este trabalho. Viajei praticamente por toda a Grécia e, agora, atingi o meu limite. Sinto-me triste. Não queria que acabasse desta forma".

Como ele, centenas de pescadores estão a entregar as licenças e a enviar os barcos para abate, desde que a União Europeia lhes ofereceu dinheiro para deixarem a faina.

Nas últimas duas décadas já foram destruídas mais de 5300 embarcações pesqueiras na Grécia.

A Agência Ambiental Europeia fala de uma diminuição critica dos stocks no Mediterrâneo e oferece entre 6 mil e 260 mil euros aos pescadores pelo abate dos barcos.

Espremidos por uma crise económica, muitos pescadores consideraram a compensação demasiado tentadora para ser ignorada. Poderiam simplesmente entregar as licenças e encontrar outra coisa para fazer com o navio, mas, para receber o pagamento integral, precisam de destruir o barco no depósito da sucata.

Pagonis suspira enquanto observa seu barco a ser despedaçado, esmagando anos de memórias. Com esta decisão vai receber mais de 80.000 euros.

É também um processo doloroso para Stelios Didonis, um pescador de terceira geração. Ele queria que o seu filho de 19 anos continuasse o negócio, mas o jovem não está interessado. Didonis decidiu mandar abater o barco e vai receber mais de 100.000 euros.

"O mar é toda a minha vida", diz. E quando se lhe pergunta o que fará a seguir, responde: "Estou ansioso por descansar durante um mês, após 30 anos a levantar-me às quatro da manhã. Depois disso, não sei, mas, seja o que fôr, terá a ver com o mar".

É claro que o abate dos barcos de pesca produz uma reação em cascata sobre a economia local. "Eles querem parar de pescar para proteger o mar. Mas destruir barcos também nos destruirá. Isto não está certo", contesta o o construtor Yannis Prasinos, que constrói e restaura barcos de madeira há 33 anos. Prasinos defende que os tradicionais barcos de pesca de madeira fazem parte da história e da cultura da Grécia e devem ser colocados num museu em vez de serem destruídos.