Última hora

Última hora

Pequim é um campus: as visitas de estudo à capital chinesa que transformam vidas

Em leitura:

Pequim é um campus: as visitas de estudo à capital chinesa que transformam vidas

Pequim é um campus: as visitas de estudo à capital chinesa que transformam vidas
Tamanho do texto Aa Aa

Embrenhar-se na cultura chinesa enquanto estuda em Pequim pode transformar a sua vida de forma positiva.

Basta perguntar ao autor francês Vincent Hein, autor da obra “East of the Clouds”, um diário da sua experiência em Pequim enquanto aluno de mandarim no âmbito dum programa de intercâmbio da Sorbonne, e que acabaria por ali ficar por mais de uma década.

A anterior primeira-dama norte-americana, Michelle Obama, elogiou estes programas académicos quando discursou na Universidade de Pequim em 2014. "A arquitetura de um templo antigo pode servir de inspiração para novos edifícios em Dallas ou Detroit", disse.

Michelle Obama citou ainda um provérbio chinês: "é melhor viajar 10 mil milhas do que ler 10 mil livros".

Mas os que escolhem estudar em Pequim fazem ambas as coisas. As pessoas procuram experienciar uma realidade diferente da sua, a oportunidade de frequentarem cursos numa cidade com mais de três mil anos de história – da Grande Muralha da China até ao Palácio de Verão – adquirindo, simultaneamente, um conhecimento mais profundo e atual da língua e cultura chinesas.

As melhores universidades de Pequim oferecem inúmeras opções para visitas – seja por duas semanas ou dois meses. Após uma curta estadia, alguns acabam por seguir programas de estudo mais prolongados na dinâmica capital chinesa.

Através de parcerias e intercâmbios entre instituições, escolas como a Universidade Técnica de Munique, a Universidade de Utrecht, a London School of Economics e a Universidade de Edimburgo trazem cada vez mais estudantes a Pequim.

Existem muitos percursos nesta cidade de relevância histórica que pode ser dividida em diferentes áreas de interesse. A Universidade de Pequim, a Universidade Tsinghua e a Academia de Cinema de Pequim são apenas três exemplos de instituições de renome que organizam visitas de estudo inesquecíveis nesta moderna metrópole.

Existem 91 universidades em Pequim, entre as quais…

• Beijing Institute of Fashion Technology

• Beijing Normal University

• Renmin University of China

• Beijing Institute of Technology

• China Foreign Affairs University

• Capital Medical University

• China University of Geosciences

• Central University of Finance and Economics

• Beijing University of Chinese Medicine

• China Conservatory of Music

• Central University for Nationalities

• Beihang University

• University of Science and Technology Beijing

Na Universidade de Pequim, o Passado encontra o Futuro numa “sala de aula do tamanho da cidade”

Pequim do futuro ganha vida através de projetos inovadores da autoria de arquitetos de renome – do Grande Teatro Nacional (“The Giant Egg”) ao arranha-céus da World Trade Center Tower China e à sede da CCTV (agora CMG).

No entanto, os traços de modernidade, através do ensino, tem a sua origem em 1898 quando a China fundou a sua primeira universidade nacional.

Atualmente, a Universidade de Pequim (PKU) ocupa o primeiro lugar das universidades chinesas e encontra-se entre as trinta primeiras universidades ao nível mundial. Robin Li, cofundador do Baidu (o Google da China) e o Secretário de Estado do Tesouro dos Estados Unidos da América, Timothy Geithner, são apenas dois dos seus alunos mais famosos.

No verão, a Universidade de Pequim organiza cursos de mandarim para alunos estrangeiros, com a duração de quatro a oito semanas, que incluem palestras sobre a cultura, a sociedade e a história da China.

Todos os inscritos no curso de verão sobre as políticas de urbanismo ficam impressionados com a forma como o tópico evolui de forma intuitiva da sala de aula para o campus urbano que é a cidade de Pequim, onde os estudantes podem testemunhar em primeira mão a evolução urbana da capital.

Para lá do Lago Weiming, que integra a parte central da Universidade de Pequim, a zona de Dongcheng District, tradicionalmente abastada, permite aos visitantes tomarem contacto com a vida palaciana na Cidade Proibida e no Museu do Palácio. Outros pontos de interesse na zona são a Praça Tian’anmen, o Museu Nacional da China e o Mausoléu de Mao Tsé-Tung.

Um pouco mais distante fica um dos locais preferidos dos estudantes, a Grande Muralha da China – a maior estrutura construída pelo Homem em todo o planeta (e um local excelente para tirar uma selfie). O troço mais popular é Badaling, que se encontra a uma distância relativamente curta do “campus”, por comboio.

Os percursos pela “street food” dos “hutong” de Pequim (beco) são uma forma de saborear a cultura chinesa através das preferências gastronómicas locais – saborosos bolinhos chineses, “shaobing” de sésamo, o aromático Pato à Pequim, etc. Existe, ainda, a oportunidade de conhecer e experimentar a gastronomia imperial, no banquete servido ao jantar no Museu de Gastronomia Real de Yuxiandu,

Um antigo aluno da Universidade Tsinghua escreve um livro sobre a sua visita de estudo

O escritor J. R. Thornton, nascido em Londres, sentiu-se de tal forma tocado pelo tempo que passou em Pequim que escreveu um romance, “Beautiful Country”, inspirado na sua própria experiência.

Aos 14 anos de idade, J. R. Thornton, passou um ano a treinar com a equipa júnior de ténis de Pequim enquanto aprendia a língua chinesa. “Mesmo depois de deixar China, as experiências que vivi permaneceram comigo”, disse à imprensa.

O livro foi publicado na China onde se tornou um sucesso de vendas. O romance realça a amizade entre um jovem tenista norte-americano e o seu colega chinês – um exemplo dos privilégios que decorrem de estudar em Pequim.

A capital foi tão envolvente que Thornton não resistiu a regressar, desta vez integrando o programa Schwarzman Scholar na Universidade Tsinghua. Esta instituição ocupa o segundo lugar das universidades chinesas e asiáticas, encontrando-se entre as trinta primeiras ao nível mundial.

Os alunos estrangeiros da Tsinghua, quer gostem de desporto ou não, podem ainda visitar o Olympic Green, também situado na parte norte da cidade. A sua principal atração é uma incrível referência arquitetónica e olímpica, o Estádio Nacional de Pequim, também conhecido como Ninho de Pássaro.

O Centro Aquático Nacional de Pequim (uma caixa azul iluminada conhecida como o "Cubo d’Água") é agora o maior parque aquático da China. O Museu Nacional do Desporto da China, situado na Aldeia Olímpica, alberga exposições dedicadas às artes marciais, ao polo e outras atividades físicas ao longo dos tempos.

A Universidade Tsinghua conta com o seu próprio museu que contém uma impressionante coleção de caligrafia. Esta instituição organiza um curso de verão de mandarim, com um mês de duração, que inclui visitas turísticas. Um dos seus cursos de duas semanas para alunos estrangeiros aborda temas gerais – da economia à inovação – do ponto de vista da China.

Na capital da China é tempo de “Luzes! Câmara! Ação!” na Beijing Film Academy

Os estudantes internacionais da Beijing Film Academy (BFA) podem aprender a arte do cinema dentro da linha de realizadores como Zhang Yimou, cujo filme “Raise the Red Lantern” conquistou um BAFTA. Professores convidados como James Cameron ou Ang Lee podem mesmo dar aulas de realização. Afinal de contas, segundo conhecedores de Hollywood, a China está a caminho de se tornar no principal mercado mundial de cinema.

A academia tem programas de intercâmbio com a Brussels’ LUCA School of Arts, La Fémis em Paris e outras instituições internacionais. A academia proporciona ainda breves workshop sobre temas como cinematografia e fotografia, frequentemente em conjunto com a Netherlands Film Academy, entre outros.

É do outro lado da cidade, na 798 Art Zone, que é possível encontrar inspiração para criar um futuro vencedor dos Óscares. Trata-se de uma área onde as antigas fábricas do Dashanzi District foram transformadas em espaços artísticos contemporâneos.

Recheada de cafés da moda e com influências retiradas da cultura pop, é nesta área dedicada à criatividade que encontramos o Beijing Minsheng Art Museum e o White Box Museum of Art, assim como arte de rua graffiti e esculturas públicas.

A nordeste desta área, o China National Film Museum – o maior do género no mundo – mostra a evolução do cinema chinês a partir de 1905. Entre as obras em destaque conta-se o filme “Farewell my Concubine”, realizado pelo antigo aluno da BFA, Chen Kaige.

Este filme dos anos 90 conta a história de duas estrelas da Ópera de Pequim – uma forma popular de interpretação que reúne voz, diálogo, mímica, artes marciais, música e elaborados trajes coloridos.

Os estudantes estrangeiros da BFA assistem a óperas chinesas ao vivo – apenas uma parte do programa de aprendizagem da cultura chinesa. A Huguang Guild Hall acolhe espetáculos num cenário histórico do século XIX, enquanto que o Teatro Vermelho mostra outra tradição chinesa: Kung Fu de Pequim.

Peça informações na sua universidade sobre os programas de intercâmbio em Pequim ou visite o sítio internet do município de Pequim para obter mais informações sobre escolas, bolsas de estudo, vistos e outros.

Mais sobre mundo