Última hora

Última hora

Parlamento chumba projeto do PAN para abolir corridas de touros em Portugal

Em leitura:

Parlamento chumba projeto do PAN para abolir corridas de touros em Portugal

Parlamento chumba projeto do PAN para abolir corridas de touros em Portugal
© Copyright :
REUTERS/Rafael Marchante
Tamanho do texto Aa Aa

O parlamento rejeitou hoje um projeto de lei do PAN (Pessoas-Animais-Natureza) para abolir as corridas de touros em Portugal, diploma que teve ainda o apoio do Bloco de Esquerda, PEV, oito deputados socialistas e um social-democrata.

Votaram contra a iniciativa legislativa apresentada e defendida em plenário pelo deputado André Silva, do PAN, a bancada do PSD, a maioria dos deputados socialistas, o CDS-PP e o PCP.

Contrariando o sentido de voto da maioria da bancada do PS, oito deputados socialistas estiveram ao lado do diploma do PAN: Pedro Delgado Alves, Rosa Albernaz, Ana Passos, Luís Graça, Diogo Leão, Hugo Carvalho, Tiago Barbosa Ribeiro e Carla Sousa.

Também o deputado social-democrata Cristóvão Norte se juntou, com o voto favorável, ao diploma pela abolição das corridas de touros em Portugal.

Optaram pela abstenção o deputado social-democrata Matos Correia, Carlos Matias do Bloco de Esquerda e 12 deputados socialistas, entre eles Paulo Trigo Pereira, Alexandre Quintanilha, Ivan Gonçalves, Sónia Fertuzinhos, Luís Soares, Porfírio Silva, Filipe Neto Brandão, Elza Pais, João Torres, Carla Tavares e André Pinotes Batista.

Numa declaração de voto distribuída aos jornalistas, os deputados independentes do PS Alexandre Quintanilha e Paulo Trigo Pereira defenderam que "ser coerente com a abolição imediata das touradas exigiria defender para os portugueses a obrigatoriedade do vegetarianismo, pois qualquer alimentação de base animal associa-se a maus tratos a animais".

"Consideramos que é possível conciliar um valor inestimável (a não crueldade aos animais) com a manutenção de valores culturais associados às touradas, restringindo-as às práticas em que existe relação de igualdade entre toureiros/forcados e touro (caso da pegas de caras e toureio a pé) e em que se assegura o bem-estar animal. Este é o caminho do processo civilizacional que pode ser percorrido para conciliar a manutenção de um património cultural com o bem-estar animal, sem o qual as touradas devem ser abolidas no futuro", acrescenta-se na mesma declaração de voto.

Esta votação foi antecedida por um debate tenso, colocando de um lado o deputado do PAN André Silva e, sobretudo, o Bloco de Esquerda que se posicionaram "contra a violência dos animais" e "contra a cultura do massacre" dos touros.

Do outro lado, o PCP, mas sobretudo o CDS, defenderam o respeito pela tradição cultural das comunidades locais e pela preservação dos postos de trabalho ligados à atividade tauromáquica.