Última hora

Última hora

Jovens presos na gruta tailandesa escrevem às famílias

Em leitura:

Jovens presos na gruta tailandesa escrevem às famílias

Jovens presos na gruta tailandesa escrevem às famílias
Tamanho do texto Aa Aa

A operação de resgate para salvar os 12 rapazes e o treinador de uma equipa de futebol de júniors presos há duas semanas numa gruta do norte da Tailândia pode começar a qualquer momento.

As autoridades temem novas chuvas que, pela sua intensidade, poderiam dificultar ainda mais o acesso ao local. Além disso, o oxigénio tem vindo a diminuir.

Numa carta dirigida às famílias, o treinador pediu desculpa por ter levado as crianças ao local. Vários jogadores escreveram também aos pais. As cartas foram entregues pela Marinha Real Tailandesa.

Continuam a ser testados diferentes planos de salvamento, mas a morte de um mergulhador da marinha tailandesa deixou as autoridades apreensivas.

O mergulhador, considerado altamente experimentado, morreu na sexta-feira. Levava a cabo uma operação para entregar mantimentos aos jovens.

Entretanto, as equipas dizem ter feito mais de 100 furos na montanha, em busca de alternativa a uma evacuação por mergulho.

Narongsak Osatanakorn, o governador da província de Chiang Rai, no extremo norte da Tailândia, apelou à calma e disse que as operações eram muito complexas:

"As equipas de mergulhadores, que vieram para ajudar-nos, explicaram-nos que é impossível passar além da terceira câmara. Não conseguem passar daí. O mundo nunca enfrentou uma operação de resgate tão difícil quanto esta," explicou.

A província de Chang Rai fica situada perto das fronteiras com Laos e Myanmar, a antiga Birmânia.

As grutas de Tham Luang são um sistema complexo e, por causa das águas das monções, de difícil acesso, com um percurso de muitos quilómetros, num terreno acidentado e parcialmente submerso.

Foi no dia 23 de junho que o treinador e a equipa de jovens jogadores decidiu explorar a gruta, depois de um jogo, mas as águas da chuva impediram que o grupo abandonasse o local.

As equipas de salvamento encontraram-nos mais de uma semana depois, tendo estado a bombear àgua do interior da gruta, para prevenir novas inundações.

Encontram-se envolvidas cerca de mil pessoas nas operações de resgate, entre tailandeses e estrangeiros.