Última hora

Última hora

Cimeira UE-Ucrânia: Poroshenko critica gasoduto russo

Em leitura:

Cimeira UE-Ucrânia: Poroshenko critica gasoduto russo

Cimeira UE-Ucrânia: Poroshenko critica gasoduto russo
© Copyright :
Olivier Hoslet/Pool via Reuters
Tamanho do texto Aa Aa

A segurança energética foi um dos pontos-chave da cimeira União Europeia-Ucrânia, segunda-feira, em Bruxelas.

O Presidente da Ucrânia tenta impedir o progresso da construção do gasoduto Nord Stream 2, que deverá levar gás diretamente da Rússia para a União Europeia, contornando o seu país.

A Comissão Europeia não considera que o Nord Stream 2 seja estratégico para a segurança energética da UE

Simone Tagliapietra Analista político, Bruegel

Petro Poroshenko recordou que a Rússia ocupou parte da Ucrânia e explicou a sua objeção: "Este não é um projeto comercial, não é um projeto lucrativo do ponto de vista económico. Este é, decididamente, um projeto geopolítico que tenta enfraquecera Ucrânia".

O novo gasoduto, que atravessa o mar Báltico, desviaria o abastecimento do território ucraniano, por onde passa agora 40 por cento do gás russo que chega à Uniao Europeia.

A Ucrânia poderá perder receitas equivalentes a 3% da riqueza nacional. A União Europeia deverá atender a este pedido, segundo um analista politico.

"A Comissão Europeia já repetiu muitas vezes que não considera que o gasoduto Nord Stream 2 seja estratégico para a segurança energética da UE. O interesse da UE é continuar a apoiar a Ucrânia e, por conseguinte, a salvaguardar o trânsito de gás e a garantir as receitas do governo ucraniano", disse Simone Tagliapietra, do centro de estudos Bruegel, em Bruxelas.

Mas há divisões entre os Estados-membros: alguns países, nomeadamente a Alemanha, parecem tentados a privilegiar as necessidades energéticas de suas indústrias. E isto sem ter de violar a atual política de sanções contra a Rússia.