Última hora

Última hora

Ainda há 700 menores retidos apesar da ordem do tribunal

Em leitura:

Ainda há 700 menores retidos apesar da ordem do tribunal

Ainda há 700 menores retidos apesar da ordem do tribunal
Tamanho do texto Aa Aa

Os protestos contra as políticas de imigração de Donald trump continuam.

"Deviam dizer apenas: 'Criámos esta política cruel e desumana e agora estamos a tentar consertar' "

Lee Gelernt Advogado da União Americana pelas Liberdades Civis

Desta vez, na capital, dezenas de manifestantes de palmo e meio levantaram cartazes contra a separação de famílias na fronteira México- EUA.

"Eu sou uma criança" foi a frase mais lida e gritada na manifestação.

O tribunal tinha dado ordem para que todos os menores separados regressassem para junto das famílias, o que aconteceu, no caso de 1820 crianças. Mas para trás ainda estão 700 crianças. O governo norte-americano diz que apesar da ordem do tribunal, muitos menores não regressaram para junto dos tutores ou porque os pais foram deportados e não quiseram levar os filhos, ou por não terem condições para os receber, como por exemplo: cadastro criminal.

Matthew Albence, chefe da divisão de fiscalização da Imigração e Alfândega dos EUA, disse que muitos dos pais não levaram os filhos no momento em que foram deportados porque não quiseram. "Não podemos forçar os pais a levar as crianças com eles", admitiu.

Reuters
Jasmin Perez reage ao ver a avó pela primeira vez depois de uma organização mexicana proporcionar um encontro, a 18 menores, com familiares que vivem no MéxicoReuters

A ACLU, União Americana pelas Liberdades Civis, foi a entidade que levou todo o processo a tribunal, já veio exigir mais transparência ao governo norte-americano.

Lee Gelernt, advogado da União Americana das Liberdades Civis e representante das famílias separadas, disse que os últimos números anunciados não são razão para que o governo norte-americano se "gabe".

"O governo não deveria orgulhar-se do trabalho que estão a fazer na reunificação", disse.

"Deviam dizer apenas: 'Criamos esta política cruel e desumana e agora estamos a tentar consertar isso de todas as formas possíveis e tornar estas famílias completas".