Última hora

Última hora

MH370: Investigação externa não descarta envolvimento de terceiros

Em leitura:

MH370: Investigação externa não descarta envolvimento de terceiros

MH370: Investigação externa não descarta envolvimento de terceiros
Tamanho do texto Aa Aa

O desparecimento do MH370 continua um mistério por revelar. Duas fases de buscas terminadas, inúmeros relatórios depois e pouco se sabe o que aconteceu ao aparelho da Malasya Airlines que levava 239 pessoas a bordo.

Os responsáveis por uma investigação independente não descartam o envolvimento de terceiros. "Não podemos dizer que o avião não terá sido pilotado por alguém além do piloto e não podemos descartar a horrível possibilidade de uma interferência por parte de terceiros.", admitiu Kok Soo Chon, responsável pelo relatório apresentado esta segunda-feira.

Reuters
Kok Soo Chon na apresentação do relatório da última investigaçãoReuters

O avião desapareceu dos radares a 8 de Março de 2014, em pleno Oceano Índico, quarenta minutos depois de descolar de Kuala Lumpur. O destino: Pequim.

"Não podemos descartar a horrível possibilidade de uma interferência por parte de terceiros"

Kok Soo Chon Responsável pela investigação do MH370

As buscas estavam a ser conduzidas pela Ocean Infinity, uma empresa privada norte-americana, empresa à qual o governo da Malásia prometeu oferecer 60 milhões de euros caso o mistério fosse resolvido até junho.

Sem respostas, os familiares das vítimas não se conformam. Alguns falam de falta de transparência. Danica Weeks, esposa de um dos passageiros do MH370, chega mesmo a intitular as investigações como uma "fachada".

"Lidaram muito mal com isto e agora começam com a fachada outra vez". "Para nós, acaba por ser uma chapada na cara e um voltar ao início. E digo isto não por nós, mas também pela indústria da aviação em geral." admitiu Danica Weeks, quatro anos depois de ter perdido o marido no mistério MH370.

O que se sabe até agora?

  • O mistério não foi resolvido mas 27 peças chegaram a ser encontradas em praias de Moçambique e das Maurícias, peças que terão sido arrastadas pelas correntes do Índico, e que acabam por provar a queda da aeronave;
  • Os especialistas desta investigação acreditam que alguém terá desligado um dos recetores da aeronave intencionalmente e depois terá desviado a aparelho para o Oceano Índico;
  • A possibilidade do MH370 ter sido raptado foi retirada de cima da mesa por nunca ter havido um pedido de resgate;

  • Um possível suicídio do piloto Zaharie Ahmad Shad também foi decartado logo desde o início das investigações.