Última hora

Última hora

Nicaraguenses procuram refúgio fora do país

Em leitura:

Nicaraguenses procuram refúgio fora do país

Nicaraguenses procuram refúgio fora do país
Tamanho do texto Aa Aa

Quatro meses após o início da crise na Nicarágua, muitos decidem abandonar o país dirigindo-se para a Costa Rica.

"Daniel Ortega vai cair em breve"

Abel Estrada Migrante nicaraguense

Na capital, San José, milhares de nicaraguenses candidatam-se a vistos de residência ou ao estatuto de refugiado. Segundo dados do governo costa-riquenho, o número de candidaturas já ultrapassou as 17 mil num único mês.

O presidente nicaraguense, Daniel Ortega, e a sua mulher, Rosario Murillo, são o alvo do ódio dos refugiados.

"Terroristas, é isso o que são, por promoverem o terror no seio da nação nicaraguense, que de forma pacífica resiste há mais de 100 dias", declara Carmen Valencia, uma ativista nicaraguense dirigindo-se aos refugiados na capital da Costa Rica.

Desde o início das manifestações que pelo menos 450 pessoas já morreram em resultado dos confrontos que envolvem a polícia e forças paramilitares.

Para muitos, o governo de Ortega tem os dias contados.

"Daniel Ortega vai cair em breve porque a sua governação está a chegar ao fim. Ninguém gosta dele, apenas a Venezuela, Bolívia e Cuba. Para além destes, ele está morto", adianta Abel Estrada, um migrante nicaraguense em San José.

O governo contudo nega qualquer envolvimento nas mortes rejeitando acusações de apoio aos grupos pró-governamentais que atacam os manifestantes.

Verdade ou não, desde Abril que a Costa Rica regista um aumento no número de pedidos de asilo.

"Temos um total de 17 400 pessoas que querem obter o estatuto de refugiado na Costa Rica. Estamos a avaliar as candidaturas dos migrantes", afirma Raquel Vargas, diretora-geral do gabinete de migrações.

Segundo o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados, para além da Costa Rica também o México, os Estados Unidos e o Panamá teriam registado um aumento nos pedidos de asilo desde abril.

Daniel Ortega encontra-se no poder desde 2007 tendo sifo reeleito no final de 2016 com 72% das preferências.