This content is not available in your region

Papa Francisco recusa comentar acusações de Carlo Maria Viganò

Access to the comments Comentários
De  Patricia Tavares
Papa Francisco recusa comentar acusações de Carlo Maria Viganò

A Igreja Católica está envolta em polémica. Numa carta aberta, divulgada à imprensa, o arcebispo italiano Carlo Maria Viganò afirmou que o papa Francisco sabia das acusações de abusos sexuais, desde 2013. Acusações estas envolvendo o cardeal americano Theodore McCarrick. Disse ainda que não houve qualquer punição. Por tudo isto, Carlo Maria Viganò pediu a renúncia do Papa e fala numa "conspiração de silêncio".

O Papa Francisco recusa comentar as acusações feitas contra ele e contra a instituição. "Leiam o comunicado atentamente e façam o vosso próprio julgamento", declarou.

Carlo Maria Viganò disse que o Papa deve ser o primeiro a dar o bom exemplo aos cardeais e bispos que encobriram os os abusos de McCarrick. No fim de julho, o Papa aceitou a renúncia de McCarrick, investigado por acusações de abusos sexuais cometidos ao longo do seu percurso na Igreja. O Vaticano orientou-o a fazer um retiro e a manter uma vida de penitência até ao julgamento.

Viganò ocupou a posição de núncio nos Estados Unidos até se reformar em maio de 2016. Conservador e crítico de Francisco, o arcebispo de 77 anos denuncia ainda uma "rede homossexual" no Vaticano. A Santa Sé não comentou as afirmações.

Esta carta foi publicada no segundo dia da viagem do Papa à Irlanda, uma deslocação feita também numa tentativa de recuperar a confiança dos católicos irlandeses ,após os escândalos de abuso sexual que abalaram a imagem da Igreja no país.