This content is not available in your region

'Cemitério dos desconhecidos' na Tunísia

Access to the comments Comentários
De  Anelise Borges
Cemitério dos Desconhecidos, em Zarzis, na Tunísia
Cemitério dos Desconhecidos, em Zarzis, na Tunísia   -   Direitos de autor  Euronews   -  

Nos últimos anos, a rotina de Chamseddine Marzouk, em Zarzis, no sul da Tunísia, tem sido a mesma: pelo menos três vezes por semana, vem cuidar daqueles que entraram na sua vida através da tragédia.

“Aqui enterrámos cerca de 400 pessoas,” diz o coveiro do Cemitério dos Desconhecidos, a última morada para migrantes que se afogaram no Mediterrâneo, enquanto tentavam chegar à Europa. Corpos que deram à costa num raio de poucos quilómetros à volta de Zarzis.

Ao organizar os funerais e cuidar das sepulturas, Chamseddine espera providenciar na morte a dignidade que muito provavelmente estas pessoas não tiveram em vida. O coveiro tunisino tem dois filhos que embarcaram recentemente para a Europa. Mais dois migrantes a engrossar a coluna de clandestinos.

“Os meus filhos saíram sem me dizer," conta apontando o dedo: "culpo a Europa, porque andei a pedir vistos para os dois – um para Alemanha, outro para França – e foram ambos recusados".

Só neste verão, cerca de 600 habitantes de Zarzis tentaram a sorte no Mediterrâneo. Ao longo da costa, as carcaças dos barcos abandonados e naufragados pouco fazem para dissuadir os que vêem na partida a única opção.

Aqueles que escolhem atravessar o mar estão muitas vezes conscientes dos riscos que enfrentam. Ouvem as histórias e vêem os corpos devolvidos pelo Mar Mediterrâneo, mas muitos – aqui em Zarzis e no resto da Tunísia – dizem que preferem o risco de morrer do que continuar a viver sem esperança.”

Adel Elghoul, trabalhador da construção civil, diz que "a maior parte dos jovens estão perdidos e querem partir". Adel fala de uma “catástrofe”, mas não para descrever o dia em que perdeu um grupo de amigos que se afogaram quando a embarcação em que viajavam se afundou. Usa o termo para descrever o atual contexto económico e social para os tunisinos com menos de 35 anos e que representam 60 por cento da população. Mais de um terço não tem trabalho, mas, com a inflação na casa dos 8%, sonhar é difícil até para quem que, como Adel, tem emprego.

"Casar, ter filhos e ter uma casa. Os nossos sonhos são muito básicos na Tunísia," explica.

Passaram quase 8 anos depois da Primavera árabe ter posto fim ao regime de Zinedinne ben Ali. Quase 8 anos desde que se plantaram promessas de liberdade e prosperidade. Sementes que tardam em florescer.

Os tunisinos vão provavelmente continuar a arriscar a vida no Mediterrâneo. Uma travessia traiçoeira que este ano já custou a vida a cerca de duas mil pessoas.