This content is not available in your region

Maioria dos americanos culpam Trump por 'shutdown' do governo

Access to the comments Comentários
De  João Paulo Godinho
Maioria dos americanos culpam Trump por 'shutdown' do governo
Direitos de autor  REUTERS/Joshua Roberts/File Photo   -  

Donald Trump é considerado pelos americanos o principal responsável pela paralisação parcial do governo dos Estados Unidos.

É esta a conclusão de uma sondagem Reuters/Ipsos divulgada esta quinta-feira, após quase uma semana de bloqueio de inúmeros serviços federais. De acordo com o estudo, 47% dos inquiridos responsabilizam o presidente, 33% culpam os congressistas democratas e apenas sete por cento visam os republicanos.

As duas câmaras do congresso voltaram a reunir-se, mas do encontro - que durou apenas alguns minutos - não surgiu qualquer solução para o 'shutdown' provocado pela exigência de Trump para o financiamento do muro com o México.

Só se registou mesmo um acordo entre democratas e republicanos no adiamento da decisão para a próxima semana.

"Estamos bloqueados. Esta é uma questão de princípio para o presidente. A segurança nas fronteiras é uma questão muito difícil. Sempre foi. Está ligada à imigração. Mas obter o financiamento do governo é algo que temos de fazer e poderemos trabalhar a partir daí", afirmou Pat Roberts, senador republicano pelo Estado do Kansas, aos jornalistas.

O presidente dos Estados Unidos exige cinco mil milhões de dólares no próximo orçamento para avançar com a construção do muro na fronteira com o México.

A proposta, uma das principais promessas da campanha de Trump, é contestada pelos Democratas e até por alguns congressistas republicanos.

No entanto, Donald Trump tem intensificado a pressão sobre o tema através da rede social Twitter, publicando inúmeros 'tweets' a apontar o dedo ao que considera ser uma "obstrução dos democratas".

A paralisação parcial do governo deve, assim, prolongar-se até ao início de janeiro. Esta é já a terceira vez que o executivo federal norte-americano fica paralisado em 2018.

Outras fontes • CNN/Reuters