This content is not available in your region

"Brexit" preocupa transportadoras de mercadorias

Access to the comments Comentários
De  Euronews
"Brexit" preocupa transportadoras de mercadorias

Na autoestrada M25, que circunda Londres, o camionista Tim Drury prepara-se para passar a noite numa das áreas de serviço. Habituado a viajar por toda a Europa, Tim é uma peça crucial na engrenagem da rede que fornece a Grã-Bretanha.

Prevê-se que o setor vá enfrentar sérias dificuldades, caso ocorra um "Brexit" sem o acordo com a União Europeia, no entanto o camionista está otimista.

"Se sairmos sem um acordo, a comunidade europeia vai querer resolver os problemas que surgirem muito rapidamente pois isso afeta-os tanto como a nós. É isso que não devemos esquecer", afirma Drury.

O transporte de mercadorias é um negócio que está em constante movimento, tendo por base a entrega nos prazos estipulados.

O repórter da euronews, Damon Embling, conta que "o interessante, ao falar com os motoristas nesta movimentada zona de paragem de camiões, onde cerca de 150 pessoas dormem todas as noites, é que muitos, cujos empregos levam-nos a percorrer toda a Europa, apoiam fortemente o Brexit - independentemente de haver ou não acordo. Contudo, por todo o setor há uma preocupação de que mais controlos nas fronteiras atrasem os camiões, atrasem as entregas - e que isso prejudique os negócios, caso a Grã-Bretanha abandone a União Europeia".

Tomemos a indústria automóvel britânica, como exemplo.

A maioria (80%) dos carros produzidos no Reino Unido é exportada para a União Europeia.

A Grã-Bretanha importa milhões de libras em peças, todos os dias, da União, para ajudar a fabricá-los.

A indústria quer um comércio sem atritos pós-Brexit e que a possibilidade de um "não acordo" seja eliminada.

De volta à paragem de camiões, o "Brexit" é tema de conversa durante os jantares

David Gray é um motorista da Inglaterra...

Filipe Silva é de Portugal e está no Reino Unido pela primeira vez...

"Por que é que querem o Brexit?", questiona o português.

O britânico responde que "a Inglaterra tem demasiadas pessoas, por isso é que surgiu o Brexit. Poderia atrapalhar muitos negócios, dificultar a contratação de funcionários, médicos, enfermeiros, motoristas de camiões, como nós. Em todo o caso, creio que há demasiadas pessoas neste país. "

Filipe Silva acredita que que seria melhor encontrar uma solução, ficar na União Europeia" e questiona se o bloco europeu continuará a negociar com o Reino Unido.

"No final das contas, queremos fazer negócios com a Europa e a Europa quer fazer negócios connosco. Se o Governo se unir e fizer as coisas bem, não há razão para que não possamos fazê-lo", acredita Gray.

O Governo britânico diz que um "Brexit" sem um acordo é improvável - e está a tomar medidas para garantir o mínimo de interrupções, independentemente do resultado.

Isso inclui alocar milhões de libras na capacidade de transporte.

A indústria de transporte de mercadorias da Grã-Bretanha aguarda, agora, pelo resultado da votação, que terá lugar na próxima semana, no Parlamento.