This content is not available in your region

Presidente do COJ clama inocência na eleição de Tóquio2020

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Presidente do COJ clama inocência na eleição de Tóquio2020

O presidente do Comité Olímpico do Japão (COJ), Tsunekazo Takeda, negou de viva voz a acusação de "corrupção ativa" de que está a ser alvo em França.

Numa declaração pública em Tóquio, sem direito a perguntas dos jornalistas, Takeda confirmou ter sido interrogado em Paris no início de dezembro, como avançou na semana passada o jornal Le Monde, e assumiu-se pronto para a luta jurídica que se avizinha.

"Vou cooperar totalmente com as autoridades francesas em relação a este caso sob investigação e vou fazer o meu melhor para provar a minha inocência nestas alegações", afirmou o presidente do COJ.

O caso surgiu pela primeira vez em público em 2016 quando as autoridades francesas revelaram estar a investigar dois pagamentos suspeitos feitos pelo comité olímpico japonês a uma empresa de Singapura, antes e depois da eleição em 2013 de Tóquio para organizar os Jogos Olímpicos de verão de 2020, à frente de Istambul (Turquia) e Madrid (Espanha).

Takeda confirmou ambos os pagamentos, explicou que serviram para pagar serviços contratualizados com a referida empresa, a Black Tidings, e garantiu que ambos foram legítimos.

O presidente do COJ referiu ainda que antes do interrogatório em França, no mês passado, já havia sido ouvido também por procuradores japoneses em 2017, a pedido das autoridades francesas, que lideram a investigação.

"Lamento imenso que esta situação em curso possa ter despejado água gria nos esforços daqueles que se dedicaram firmemente na preparação dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio 2020 e em qualquer movimento positivo a caminho dos jogos. É um facto incontestável que a equipa em quem confio, unido e apaixonado, trabalhou neste projeto e eu acredito piemente que foi por causa do apoio deles que conseguimos vencer com a nossa candidatura"., expressou Takeda perante os jornalistas.

Outras fontes • Japan times