This content is not available in your region

Bolsonaro recebe membros exilados da oposição venezuelana

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira
Bolsonaro recebe membros exilados da oposição venezuelana
Direitos de autor  Alan Santos/Presidency Brazil/via Reuters   -  

Ataques e contra ataque entre Brasil e Venezuela. Depois de Nicolas Maduro, no discurso de tomada de posse para o seu segundo mandato, ter chamado Jair Bolsonaro de fascista. O recém-eleito presidente brasileiro recebeu, no Palácio do Planalto, representantes da oposição venezuelana para marcar o seu apoio:

"Tudo nós faremos para que a Democracia seja reestabelecida, que vocês possam viver em liberdade. Sabemos como esse desgoverno chegou ao poder, inclusive com a ajuda de presidentes do Brasil, como Lula e como Dilma, e isso nos torna responsáveis dessa situação que vocês se encontram, em parte (...)." - Declarou, através do canal de televisão da presidência, Jair Bolsonaro.

Os elementos da oposição venezuelana, que estão no exílio, entre eles um antigo presidente da assembleia Nacional do país agradeceram o apoio do chefe de Estado brasileiro e propuseram soluções:

"O que é preciso fazer é colocar o máximo de pressão sobre o sistema, para que o governo, essa ditadura, se frature de uma vez por todas e se abra uma transição e depois eleições. Para que eles não tenham outra opção que não a de abandonar o poder." - Adiantou Julio Andrés Borges, antigo presidente da Assembleia Nacional da Venezuela.

A Human Rights Watch na sequência da apresentação, em São Paulo, do relatório sobre os Direitos Humanos, e lembrando a questão venezuelana lançou acusações ao presidente do Brasil:

"A opinião pública está, profundamente, dividida eu diria mesmo, que às vezes está confusa, em relação a onde estão os valores básicos. Demonstração disso é a eleição de Bolsonaro, no Brasil, que não é mais do que um autocrata populista, mas de direita, a quem os Direitos Humanos só importam quando se trata da Venezuela, Cuba ou Nicarágua." - Afirmou José Miguel Vivanco, diretor executivo da Human Rights Watch para as Américas.

Editor de vídeo • Nara Madeira