This content is not available in your region

Manifestações na Argélia contra recandidatura de Abdelaziz Bouteflika

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Manifestações na Argélia contra recandidatura de Abdelaziz Bouteflika

Manifestações como a deste domingo à noite nas ruas de Argel estão proibidas desde 2001, mas o maior protesto de descontentamento na Argélia desde a Primavera Árabe já dura há dias. E pode tornar-se explosivo porque muitos argelinos prometem não baixar a guarda.

Em causa está o anúncio da recandidatura de Abdelaziz Bouteflika para um 5.º mandato presidencial, aos 82 anos.

No poder há duas décadas e alegadamente hospitalizado há uma semana na Suíça, praticamente não é visto em público desde que foi vítima de um Acidente Vascular Cerebral em 2013.

O diretor de campanha, Abdelghani Zaalane, apresentou este domingo a candidatura ao Conselho Constitucional e leu, na televisão nacional, uma carta enviada por Bouteflika. Na missiva, o líder promete que, se for eleito a 18 de abril, não terminará o mandato e se afastará depois de eleições presidenciais antecipadas. Acrescenta que a data será marcada após uma conferência nacional.

Mas não é certo que Bouteflika venha a ser efetivamente candidato. A Comissão Nacional de Eleições deixou bem claro que todas as candidaturas tinham de ser apresentadas em pessoa, o que não aconteceu no caso do atual líder argelino.

Desde o polémico anúncio, a Argélia foi inundada por uma vaga de protestos com dezenas de milhares de pessoas nas ruas.

As eleições servem para garantir a transição de poder em condições pacíficas com liberdade e transparência.