This content is not available in your region

Bolsonaro faz aumentar tensão na Amazónia

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com Reuters, AP
Bolsonaro faz aumentar tensão na Amazónia

Vive-se uma crise, sem precedentes, na Amazónia. O assassinato de um líder indígena, alegadamente ligado à mineração, e a insistência do presidente brasileiro em transformar aquela que é uma das mais importantes reservas ecológicas do planeta na "alma económica" do país, como o próprio disse, está a desestabilizar, a criar tensão e medo, entre as tribos amazónicas.

Os mineiros são apoiados por Jair Bolsonaro que já afirmou que pretende "legalizar" a mineração. O chefe de Estado punha ainda em causa o assassinato de Emyra Waiãpi, de 68 anos, morto na última quarta-feira supostamente durante uma invasão de garimpeiros, no estado brasileiro do Amapá. 

O ministério Público abriu um inquérito ao sucedido e não põe nenhuma hipótese de parte, ou seja, que a morte tenha sido provocada por "mineiros, caçadores, não-indigenas" ou se a contenda ocorreu entre indigenas, como esclarecia o procurador federal Rodolfo Soares.

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos já condenou esta morte. Em comunicado, Michele Bachelet afirmou que, a tratar-se de um crime, é "um sintoma preocupante" da crise entre populações indígenas e mineiros. Bachelet pedia ao governo brasileiro uma atuação eficaz "para impedir a invasão de territórios indígenas" e acrescentava que o aval ao aumento da exploração mineira na Amazónia levará, provavelmente, "a incidentes violentos, intimidação e assassinatos" como este último.

A pressão sobre as tribos amazónicas tem vindo a aumentar ao longo dos anos ativistas dos Direitos Humanos dizem que as ameaças aumentaram desde que Jair Bolsonaro assumiu a presidência.

Editor de vídeo • Nara Madeira